sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Filho solidário

O Guilherme me enche de orgulho por ser, entre outras coisas, um cara ligado nas coisas do mundo e muito solidário. Hoje ele me falou que mudou a bandeira do cartão de apresentação do blog dele, o Truques de Club Penguin. Normalmente ele usa a bandeira do Brasil, mas nesta semana resolveu mudar e passou a usar a bandeira do Chile. Perguntei por que e a resposta me emocionou:

- Ah, pai, antes eu usei a do Haiti, mas agora é a vez de apoiar o Chile!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Beleza na guerra?



Recebi do jornalista Messias Pontes um belíssimo vídeo que lhe foi encaminhado pela professora Raquel Rigotto com a seguinte apresentação:

Kseniya Simonova foi a ganhadora da edição Ucraniana do Got Talent 2009. Na final, ao vivo, fez uma animação da invasão da Alemanha à Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial, tendo usado os dedos e uma superfície com areia.Trouxe lágrimas aos olhos de juízes e do público.
Foram 8 minutos maravilhosos que demonstraram um talento especial e trouxeram, através da arte, a memória viva de uma guerra que marcou várias gerações.
É de arrepiar mesmo.

Some-se aos mais de 2 milhões de inernautas que já assistiram a esse vídeo.

Eita PT...

Semana passada a imprensa cearense noticiou a posse de Luizianne Lins na presidência estadual do PT no Ceará. Observe bem, somente a presidente tomou posse, porque ainda não se chegou a um acordo de quem serão os demais dirigentes. É que ainda se busca um acordo entre as correntes internas. Vamos em frente...

Como dizia, a imprensa noticiou a posse e deu ênfase ao aspecto político do ato, com ênfase para os discursos da nova presidente e do governador Cid Gomes, que é também o presidente estadual do PSB, no sentido de refutar qualquer desentendimento maior entre os dois por contada polemica em torno do local em que poderá ser construído um estaleiro.

Hoje, uma semana depois do acontecimento, recebi o boletim eletrônico do PT em que o destaque é a dita posse. Pois bem, quero fazer aqui uns comentários unicamente pra refletir e espero, sinceramente que minha sinceridade não chateie nenhum companheiro ou campanheira petista que, por ventura, me honre com uma visita.

Pra começar eu tenho certeza que a nova presidente, que além de ser a prefeita de Fortaleza, também é jornalista e fotógrafa, não deve ter tido tempo de ver o que tá lá no site do partido que ela dirige. Se tivesse visto tenho certeza que ela deixaria poucas fotos na galeria anexa à matéria. Uma das que ela tiraria era logo essa aí que postei. Puxa vida, a Luizianne é uma mulher bonita, e essa foto aí é uma tragédia. Além de mexer com a vaidade da Lôra, o cabra mostrou que não saca nada de iluminação, enquadramento e outras coisas do beabá da fotografia. Ainda na formo o título da matéria "Luizianne toma posse do PT", comete um grave erro gramatical, ou será que Luizianne se apossou mesmo do partido e não ficou nada pra ninguém. Não é o que se sabe. O que se sabe é que mesmo presidindo o PT a nova presidente e sua corrente não detém nem 20% dos votos. Mas fazer o que? Errar é humano. Ou seria um ato falho?

Agora, o mais grave mesmo é o conteúdo. Quem lê a matéria conclui que mesmo sendo obrigado a atuar em aliança com outras forças, o PT velho de guerra, que se enxerga como o centro do mundo ainda pulsa forte no peito de muitos de seus integrantes. Veja o que disseram alguns oradores:

"Esse é o único partido que elege todos seus dirigentes." dep. est. Nelson Martins.


" O PT sabe governar, o modo petista de governar mudou toda a história desse Brasil". dep. est. Dedé Teixeira


"Esse é o partido que representa as lutas sociais do nosso povo. É com muita garra que nossa militância assume essa força". dep. est. Rachel Marques


“Hoje além de dirigimos cidades, governos e o país, saímos de uma crise rapidamente". Ministro José Pimentel


"O PT é a cara do povo brasileiro”, ex-presidente do PT/CE, Ilário Marques


"Este casarão (sede do partido) é cheio de memórias de tapas e beijos. Isso tudo já faz parte da nossa história." presidenta do PT, Luizianne Lins

Pois é, assim segue o PT. Isso me faz lembrar os que imaginavam que o centro do universo era a Terra, enquanto Galileu Galilei tentava mostrar que o tal universo era muito mais vasto do que eles imaginavam. Ainda bem que o ex-presidente nacional do PT declarou que o partido amadureceu e entendeu a necessidade de fazer alianças. Só falta alguns petistas se lembrarem disso.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ibope: Dilma passou Serra no Nordeste e no Norte

Entre dezembro último e este mês, a presidenciável Dilma Rousseff, do PT, ultrapassou José Serra, do PSDB, tanto do Nordeste como no Norte/Centro-Oeste, conforme a pesquisa Ibope/Diário do Comércio divulgada nesta quinta-feira (18). A informação não foi dada nem pelo diário que promoveu a pesquisa e nem pela grande mídia que a comentou. Mas está disponível no relatório do Ibope e você pode conferi-la no mapa que ilustra a matéria do Bernardo Joffily, postada no Portal Vermelho e basta você clicar aqui pra ler. Mas leia mesmo, senão vai ficar acreditando só o que a midiazona tucana publica.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Gol do Miro



É difícil um tema que o jornalista Miro Borges não dê um jeito de transformar num mote pro debate cujo centro é o confronto entre ideias avançadas e ideias atrasadas, superadas historicamente. Veja só o que ele disse no seu Blog do Miro sobre a participação do jogador de futebol Petkovic no programa da Ana Maria Brega.


Petkovic faz golaço em Ana Maria Braga

"A apresentadora global Ana Maria Braga adora o consumismo capitalista e nunca escondeu a sua rejeição às idéias de esquerda. Mas, geralmente, ela exagera nas suas paixões. No seu programa da TV Globo da semana passada, ela entrevistou o jogador sérvio Dejan Petkovic, atual campeão pelo Flamengo e craque reconhecido por todos os apreciadores do futebol. A entrevista até que ia bem, quando ela não se conteve e disparou: “Como foi nascer num país com tanta dificuldade?”.

Petkovic, que é bom de bola e de cabeça, não vacilou e marcou mais um golaço: “Quando nasci não tinha dificuldade nenhuma. Era um país maravilhoso, vivíamos um regime socialista, todo mundo bem, todos tinham salário, todos tinham emprego. Os problemas aconteceram depois dos anos 80”. A apresentadora engoliu a seco e prosseguiu a matéria. Sua assessoria devia, ao menos, ter pesquisado as posições progressistas do jogador para evitar mais esta pisada de bola.

“Musas” direitistas do Cansei

Ana Maria Braga já se meteu em várias outras frias – tanto que o corrosivo colunista José Simão já a apelidou de “Ana Ameba Brega”. Em meados de 2007, ela foi umas “musas” do movimento “Cansei”, organizado por ricos empresários e notórios direitistas para desgastar o governo Lula. Ela surgiu em outdoors ao lado da malufista Hebe Camargo, da “medrosa” Regina Duarte e da “festeira” Ivete Sangalo. Apesar da participação “gratuita” destas estrelas midiáticas, a patética iniciativa não conseguiu seduzir a sociedade e sucumbiu rapidamente."

Francês de Sobral

Essa é pra qualquer sobralense ficar todo faceiro mesmo. Você tá vendo aí o moço da foto? Escutei falar dele a primeira vez na tarde desta quarta feira de cinzas. O problema é que o calorzinho de Sobral não permitiu à meninada praticar esqui nas ladeiras da Serra da Meruoca e nem patins nos salões do Derby, do BNB ou da AABB, senão já tinha até umas medalhas no peito do time brasileiro.

Segundo a Wikipédia "Amodio começou a patinar aos 4 anos de idade, treinado por Bernard Glesser . Aos 12, adoecido, ficou 18 meses parado. Porém retornou em 2004 e em 2005 representou a França pela primeira vez internacionalmente.

Em 2008 ele teve boas colocações no ISU Junior Grand Prix Final temporada de 2008/2009. Na 2009 Rostelecom Cup, ficou na 9ª colocação e perdeu o pódio por um ponto na 2009 Skate America ficando assim na 4ª posição. Amodio começou a temporada 2009-10 vencendo o "the French Masters".

Este título permite-lhe ser selecionado pelo FFSG (Federação Francesa de esportes de gelo), para representar a França nos Jogos Olímpicos de Inverno em Fevereiro de 2010 em Vancouver"
.

Apesar de competir pela França, Amodio nasceu mesmo foi em Sobral e ainda menino miúdo foi adotado por uma família francesa. Ele não ganhou a medalha mas ficou mais bem colocado do que o francês favorito Brian Joubert, que caiu com o mucumbu no gelo. Ele nem português fala, mas ficou muito emocionando quando viu uma bandeira do Brasil no meio da torcida, apesar de não ter nenhum brasileiro disputado a prova. Certamente a torcida era pra ele. Só faltou uma bandeira amarela, branca e grená, da torcida sobralense.


Dê mais uma espiadinha em fotos e vídeos de Florent CLICANDO AQUI

Dá-lhe emoção!



Aqui não tem muito o que escrever pra apresentar esse registro feito pelo Thomas Farkas de uma apresentação do Pixinguinha e a Velha Guarda do Samba, inclusive Donga, João da Baiana e Bendito Lacerda. Como diz o próprio Farkas é a coisa mais maravilhosa, dá até vontade de chorar. Detalhe, o autor narra todo o acontecido.Vá lá, deleite-se.

Dedico essa postagem a Moracy do Val, que no início deste ano me falou desse vídeo lembrando com emoção o jeito que seu pai, Tércio do Val, dançava em Pindorama, à moda dos dos companheiros de Pixinguinha. Moracy também tem memórias com os Farkas, inclusive trabalhou com Pedro, filho de Thomas, que foi diretor de fotografia nas duas versões (1979 e 20o9) do filme O Menino da Porteira. À você, cabra bom, com um forte abraço.

Avatar, ficção e realidade se encontam na Palestina



Fui assistir Avatar com o Guilherme logo que estreou em Fortaleza. Não conseguimos assistir em 3D porque as filas eram enormes e a eu nao topei sujeitar meu filho àquele sacrifício. Mas a assistência no "jeito velho" de fazer cinema não nos privou de um belo filme e ao filme escutei o cabrinha do meu lado dizer: "Pai, que filme legal!"

Foi com uma felicidade enorme que escutei aquela expressão exclamada. Eu tava numa dúvida danada em levá-lo pruma sessão com mais de duas horas de duração, com uma história que poderia ser complexa pra ele entender. Mas vi que apenas corri o risco de subestimar a capacidade de entendimento e o gosto do Guilherme por cinema.

De minha parte eu tive a mesma sensação. Que filme legal! Por isso fiquei meio contrariado com o análise feita semanas depois pelo Clóves Geraldo, do Portal Vermelho. Para ele, que em viu no clássico Blade Runner uma relação com o conflito operário e patrão, Avatar prova que ainda é possível encantar o público através da máquina da ilusão chamada cinema. Ele ainda acrescenta: "Entre os truques e mágicas gerados pelas câmeras em 3D, trabalhados em estúdio a partir dos movimentos faciais e corporais dos atores e atrizes, pode-se vislumbrar até onde chega o cinemão hollywoodiano. Se as projeções em 3D criam o efeito de realidade, a profusão de elementos em cena, meio ambiente, humanóides e arsenal bélico muitas vezes se sobrepõem à história em si".

Como dizia aquela musica do Kid Abelha, onde foi que eu errei? Eu que tava todo animado com um filme onde eu via claramente uma potência militar invadindo um território cheio de riqueza mineral, destruindo seu povo, suas tradições, sua cultura e relacionava tudo isso à invasão do Iraque pelos Estados Unidos, me encantei com a máquina de ilusão hoolywoodiana? Fui e voltei no pensamento, nas minhas ideias e nos gostos cinematográficos, não vi nada de errado. Pensei em assitir novamente ao filme, e o farei, mas não por aquele dúvida, mas porque quero perceber melhor "
os truques e mágicas gerados pelas câmeras em 3D, trabalhados em estúdio a partir dos movimentos faciais e corporais dos atores e atrizes", que contam inclusive com o competente trabalho do cearense Alfredo Luzardo. De minha opinião sobre o filme eu estava seguro.

Pois num é
que na sexta feira passada, dia 12, enquanto o Brasil entrava na folia carnavalesca, jovens palestinos da pequena Billin, cidadizinha próxima à Ramallah, capital administrativa do território palestino,"se fantasiaram" de Na’vi, o povo de Pandora, para protestar contra mais uma barreira que os impediam de circular livremente e delimita áreas para a construção de assentamentos israelenses em território palestino. O objetivo era fazer um protesto pacífico, mas para os militares israelenses, não existe protesto que não mereça pelo menos bombas de gás, como você pode perceber no vídeo acima. "Nós vamos transmitir a nossa mensagem de forma rápida e mostrar a violência dos soldados israelenses quando atacam os protestos não-violentos e atiraram nas pessoas", diz Iad Burnat, um dos líderes das manifestações, que têm, inclusive, atraído israelenses contrárias à ocupação da Palestina.

Vi a notícia com satisfação dupla. Politicamente vejo que, mesmo numa situação extrema como a do conflito entre paslestinos e israelenses, pode ter muita criatividade e se manifestar de um modo que amplie, que dialogue com outros segmentos, capazes de apoiar uma causa justa. Pessoalmente fiquei satifeito porque os fatos comprovavam que Avatar não me descolou da realidade e que o cinema fala sim de nossas vidas, mesmo os que falam contra nosso modo de pensar. É só apurar mais o olhar.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Ao Boris Casoy, com muito samba

Circulando pela internet encontrei essa notícia e não teve como não lembrar do Boris Casoy. Que comentário ele faria?

Além de dar uma boa gargalhada, eu achei muito legal que a Dilma vá se soltando no meio do povo. É isso mesmo, tá em campanha, e como disse João Amazonas pro Lula na campanha de 1989: "Junte-se ao povo, confie nele". E eu completaria: "e ele confiará em você".

Veja o que diz o blog:

A ministra Dilma Rousseff, sambou com um gari na pista do sambódromo do Rio no fim da noite deste domingo.

Dilma segurou a vassoura do gari Gilson Lopes, 47, sambou com ele e fez rodopios, como dançam mestre-sala e porta-bandeira.

Ao final, Lopes, que trabalha há 13 anos na Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana), deu nota 9,5 para a ministra. "Foi bom. Foi gostoso sambar com ela; ela samba bem", disse.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Take Jarreau



Acho que primeira vez que ouvi Take Five foi numa das tardes de Feijoada com Jazz do extinto Cais Bar, ainda no tempo do meu querido amigo Giuseppe Sergi, o Pino, dava o tom do lugar. Quem tocava ali era uma banda comandada pelo saxofinista Elismário. Depois aprendi a gostar da música e num larguei mais. Há pouco mais de um ano, no Restaurante Wave, que pertence ao Germano Alencar e sua querida Marta e fica na estrada entre Aquiraz e a Prainha, escutei a danada ser executada por uma senhora de quase 70 anos, cearense do Cariri e hoje professora de música, aposentada pela UnB. A tecladista, acompanhada por um saxofonista argentino que fugiu da ditadura e de dois jovens músicos formados pelo Germano ali mesmo - se não me engano um é auxiliar de pedreiro e o outro marceneiro - tanto tocava como tomava chopp e encantou a todos os privilegiados naquela tarde de domingo.

Gosto demais de Take Five e poderia trazê-la aqui na sua versão mais conhecida e pelas mãos do The Dave Brubeck Quartet, que a executou pela primeira vez em 1959, mas essa interpretação do Al Jarreau é muito bacana e vale a pena conferir.

Onde passou a história

Tempos atrás o Gulherme me pediu pra ir com ele visitar os principais lugares históricos de Fortaleza. Com uma lista na mão ele foi me dizendo onde deveríamos ir e falando algo sobre cada lugar da capital por onde a história passou com mais força e deixou marcas até hoje. Um dos lugares é o Forte de N.S. da Assunção, antigo Forte Schoonenborch, atual sede do Comando da 10ª Região Militar do Exército. Ali está a cela onde foi presa Bárbara de Alencar (foto) e fica ao lado de outro lugar visitado que é o Passeio Público, antiga Praça dos Mártires, onde foram fuzilados alguns revolucionarios cearenses que participaram da Confederação do Equador, entre eles Padre Mororó. Em homenagem à Dona Bárbara e aos revolucionários o compositor e cantor cearense Ednardo compôs a bela Passeio Público, cuja letra você pode conferir abaixo.


Passeio Público
Composição: Ednardo

Hoje ao passar pelos lados
Das brancas paredes, paredes do forte
Escuto ganidos, ganidos, ganidos, ganidos
Ganidos de morte
Vindos daquela janela
É Bárbara, tenho certeza
É Bárbara, sei que é ela
Que de dentro da fortaleza
Por seus filhos e irmãos
Joga gemidos, gemidos no ar
Que sonhos tão loucos, tão loucos, tão loucos
Tão loucos foi Bárbara sonhar
Se deixe ficar por instantes
Na sombra desse baobá
Que virão fantasmas errantes
De sonhos eternos falar
Amigo que desces a rua
Não te assustes, não passes distante
Procura entender, entender
Entender o segredo
Desse peito sangrante


Outros locais históricos de Fortaleza são:


Teatro José de Alencar - principal e mais bonito teatro da cidade, este ano completa 100 anos, 10 a menos que o Teatro São João, de Sobral. Além da bela construção, vale a pena visitar o jardim feito pelo Burle Marx.

Praça José de Alencar - onde fica o Teatro José de Alencar e uma estátua do escritor, já foi um terminal de ônibus, hoje abriga muitos camelôs. Na década de 60 foi palco de manifestações estudantis.

Estação Ferroviária João Felipe - estação de trem, é uma bela construção do início do século XX e abrigará a estação central do Metrofor.

Central de Artesanato - já foi a Cadeia Pública até o início dos anos 70, depois foi a EMCETUR, onde tinha um teatro muito legal, hoje tem lojas de artesanato.

Santa Casa de Misericórdia - primeiro hospital de Fortaleza, ano que vem fará 250 anos de sua instalação com o nome de Hospital da Caridade. Num é lugar de visita pra turista, mas muito bonito de se apreciar. Fica ao lado do Passeio Público.

Museu do Ceará - antiga sede da Assembleia Provincial, depois Assembléia Legislativa, além de ser uma construção muito bonita, acolhe o mais interessante museu sobre a nossa história.

Praça dos Leões - uma dos lugares mais agradáveis da cidade, encontra-se meio abandonado, o nome oficial é Praça Gen. Tibúrcio, mas as enormes estátuas felinas deu o mote pro povo rebatizá-la ao seu modo. Rachel de Queiróz tá sempre por lá, sentada num banco.

Academia Cearense de Letras - antigo Palácio da Luz, foi sede do governo estadual até o início dos anos 70, abrigou também a Casa de Cultura Raimundo Cela, um lugar incrível lugar que simplesmente deixou de existir.

Praça do Ferreira - o chamado Coração da Cidade homenageia o Boticário Ferreira e tem ao seu redor o Cine São Luiz, o Hotel Excelcior, a Farmácia Osvaldo Cruz e o antigo Cine Magistic, hoje uma agência da Caixa Econômica Federal.

Catedral - uma construção imponente, é uma espécie de Sagrada Família, de Barcelona, só que foi concluída depois de muito tempo e muitas doações.

Palácio do Bispo - construida por um ricaço, depois foi morada do Bispo e depois Arcebispo, até virar sede da Prefeitura em 1973, que de lá saiu pra dois lugares, mas agora voltou e eu ando com vontade de saber se ficou bonita mesmo.

Cidade da Criança - um belo lugar, que também pode ser chamado de Parque da Liberdade, porém está num estado de abandono que faz pena.

Palácio da Abolição - único lugar situado fora do centro da cidade, é uma construção muito bonita. Foi sede do governo estadual até 1986, depois que Tasso Jereissati resolveu fugir do povo e se esconder no distante Cambeba. Sediou várias secretarias de governo e agora está sendo restaurado para receber novamente o governador.


Colaborou Guilherme Pires Carvalho Arruda, de quem sou o pai.


Esquecemos Dona Bárbara?


Que eu me lembre, em Fortaleza há uma rua e uma praça - onde fica essa estátua feita pelo Zenon Barreto - em homenagem à heroína cearense Bárbara de Alencar. A atual sede do Governo do Estado chama-se Centro Administrativo Bárbara de Alencar, onde fica o Palácio Iracema que abriga o gabinete do governador e homenageia a obra mais conhecida de José de Alencar, neto de Dona Bárbara. Na capital fica também a cela onde a brava cearense foi encarcerada em condições desumanas, mas neste caso não se trata de homenagem, apesar do registro que é feito no local como memória de tanto sofrimento a que foi submetida.

Bárbara de Alencar, pernambucana de nascimento em Exú e cearense por apego e afeto, foi uma das primeiras brasileiras a atuarem policamente. Por lutar em defesa da independência e da república foi a primeira presa política do Brasil, em 1817. Seu exemplo foi seguido por seus filhos que em 1824 atuaram na Confederação do Equador, quando dois dele, Carlos de Alencar e Tristão de Ataíde, foram mortos.

Acho as homenagens insuficientes para exaltar os feitos de uma mulher tão importante em nossa história, mas já é alguma coisa. Mas o pior é que não vi um só registro, no último dia 11, da passagem dos 250 anos do nascimento de Bárbara de Alencar. O jornal O POVO de hoje publica parte de um artigo, que o Portal Vermelho publicou na íntegra, onde é feito um pequeno resgate de vida de nossa revolucionária.

Neste ano também se comemora o centenário de nascimento da escritora Rachel de Queiróz, o que é muito justo e merecido. Mas Dona Bárbara não é menos merecedora de homenagens até maiores afinal até o fim de sua vida foi fiel às suas ideias e ao compromisso republicano que provocaram-lhe perseguição e sofrimento, mas que dela fizeram um exemplo, felizmente seguido por muitas outras cearenses. No ano do centenário das comemorações do Dia Internacional da Mulher taí uma cearense merecedora duma homenagem bem pai dégua! Ainda há tempo, temos quase um ano todo.

Espero que a falta de homenagens se deva a uma certa confusão em relação ao ano de nascimento, já que há algumas versões de que o ano seria 1765. Vamos aguardar. Espero que algum leitor que passar por aqui ajude a precisar a data.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Em terras catalãs

Esse negócio de ser pai coruja é tão bom que eu ainda saio corujando a sobrinhada, filharada de amigos, meus irmãos e irmãs e obviamente minha mãe e meu pai, que me ensinaram a ser assim. A novidade é corujar neto de irmão e o meu primeiro sobrinho neto é o Ernesto, esse moleque sorridente aí, que já frequentou esse blog pouco depois de nascer. O cabra num fez nem 1 ano e anda lá pelas terras ibéricas, onde o Luisa Damasceno e o João Wilson Arruda, foram curtir uma gelada, melhor dizendo, uma curta temporada no frio.


Eles tão em Barcelona, cidade cheia de tanta beleza e tantos encantos, que você tem de escolher direito as visitas que vai fazer pra não deixar de fora o que é mais melhor e botar pra dentro o que é menos melhor. Já andei por terras catalãs, mas a Catalunha entrou na minha vida antes deu ir lá. Agora quem tá por lá é essa gente querida, que eu gosto como parte de mim. Saudade eu tenho deles, mas é uma saudade que cura com a felicidade e tanta lembrança boa que vai vir com eles.



Sertanejo na Catalunha

Numa das ocasiões em que estive em Barcelona eu viajava com o Luciano Filho, meu irmão mais novo. Depois de descermos até a estátua de Colombo e subirmos até a Plaza Catalunya caminhando entre as muitas estátuas vivas de Las Ramblas - talvez o passeio mais conhecido da cidade - bateu uma fome e cuidamos de achar um lugar legal pra comer. Acompanhados por "una copa de viño" foram-se o primeiro e o segundo prato (uma banda de coelho assado), mas como legítimo filho de Domaducarmo, eu não dispensei a sobremesa e catei algo que nunca tivesse provado. Achei "crema de plátano". Pelo nome era bom e pela cor arroxiada, diferente. Pois sim, era nada mais nada menos que banana batida com leite, muito pouco leite pra ficar cremoso. E a cor era do tempo que estava na geladeira, aquele roxinho de bananada feita há muito tempo. Ô bicho pra penar é matuto, ainda mais curioso demais.

Guilherme e seu blog

Desenho do Guilherme. Um pinguim no alto dum monte de neve


Essa minha corujice com o meu filho Guilherme me fez citá-lo durante uma reunião da Comissão Estadual de Comunicação do PCdoB. Mas eu diria que a citação foi justificada. A gente tratava justamente das infinitas possibilidades que a internet oferece hoje e quanto ainda podemos aprimorar o trabalho de comunicação não apenas através do Portal Vermelho. Este é nosso instrumento mais avançado, que nos tem permitido ir muito mais além do que a estrutura partidária permite, mas ainda devemos buscar formas de aprimorá-lo e buscar muito mais leitores internautas. Aliás, até isso muda. Devemos reforçar a interatividade e não mais termos os internautas apenas como leitores, mas como colabores efetivos, não apenas com seus comentários, mas também com a produção de conteúdo, seja em forma de texto, vídeo, audio, imagens ou sei lá mais o que.

Mas o Guilherme entrou na prosa por conta do seu blog Truques de Club Penguin onde ele se diverte postando coisas sobre o clube virtual que participa. Mas aquela cabecinha inquieta vai longe com a sua brincadeira. Ele até já me ensinou a utilizar algumas ferramentas e tanto o calendário, como o contador de visitas com as bandeiras deste blog, foi ele que me deu a dica e orientou como adicioná-los.

A última do Guilherme e seu blog foi fazer mais três outros blogs com versões em espanhol, inglês e francês. Pensei que ele usava alguma ferramenta que fizesse a tradução automática, como faz o Blog do Adeodato, que tem tradução imediata para 12 línguas diferentes (inglês, espanhol, francês, italiano, alemão, holandês, japonês, árabe, russo, sueco, chinês e grego), além do português. Só que meu grande amigo Adeodato é uma fera da informática, enquanto o Gui é um garoto de 9 anos, que sai traduzindo cada texto usando dicionários virtuais e postando em cada um dos blogs que ele criou.

Sou fã dos dois. Cada um, com seu conhecimento acumulado e suas possibilidades, vai utilizando essa ferramenta fantástica que é a internet para espalhar pro mundo o que pensam. Lá no contador de visitas do Gui consta a visita de mais de 1500 internautas de 7 países além do Brasil: Estados Unidos, Portugal, Canadá, Peru, Argentina, México e Malásia. Isso num é um barato?

Dia de Mandela




Mandela Day

Dia de Mandela



It was 25 years they take that man away

Há 25 anos eles prenderam aquele homem

Now the freedom moves in closer every day

Agora a liberdade se aproxima a cada dia

Wipe the tears down from your saddened eyes

Enxugue as lágrimas dos seus olhos entristecidos

They say Mandela's free so step outside

Eles dizem que Mandela está livre, então pise lá fora

Oh oh oh oh Mandela day

Oh oh oh oh Dia de Mandela

Oh oh oh oh Mandela's free

Oh oh oh oh Mandela está livre

It was 25 years ago this very day

Há 25 anos nesse mesmo dia


Held behind four walls all through night and day

Preso entre 4 paredes durante noite e dia


Still the children know the story of that man

As crianças ainda sabem a história daquele homem


And I know what's going on right through your land

E eu sei o que está acontecendo bem na sua terra

25 years ago

25 anos atrás


Na na na na Mandela day

Na na na na o Dia de Mandela

Oh oh oh Mandela's free

Oh oh oh o Mandela está livre

If the tears are flowing wipe them from your face

Se as lágrimas estão fluindo, enxugue-as de seu rosto


I can feel his heartbeat moving deep inside

Eu posso sentir a batida do coração dele movendo bem fundo

It was 25 years they took that man away

Há 25 anos eles levaram embora aquele homem

And now the world come down say Nelson Mandela's free

E agora o mundo desce e diz "Nelson Mandela está livre"

Oh oh oh oh Mandela's free

Oh oh oh oh o Mandela está livre

The rising suns sets Mandela on his way

O sol nascente guia Mandela em seu caminho


Its been 25 years around this very day

Faz 25 anos nesse mesmo dia

From the one outside to the ones inside we say

Desde o dia livre até os dias presos, nós dizemos


Oh oh oh oh Mandela's free

Oh oh oh oh o Mandela é livre

Oh oh oh set Mandela free

Oh oh oh o Mandela é livre

Na na na na Mandela day

Na na na na o Dia de Mandela

Na na na na Mandela's free

Na na na na o Mandela é livre

25 years ago

25 anos atrás

What's going on

O que está acontecendo?

And we know what's going on

E nós sabemos o que está acontecendo

Cos we know what's going on

Porque nós sabemos o que está acontecendo

Tradução: letras. terra.com.br

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Mandela, esporte e política



Ainda num deu tempo secar os olhos por conta de tanta emoção que vivi ao assitir o filme Invictus, dirigido pelo Clint Eastwood, cujo personagem central é Nelson Mandela, interpretado magistralmente pelo Morgan Freeman. Eu num sei o que sentiram as outras 14 pessoas que dividiram comigo a sala 2 do Cine Del Passeo, mas acabo de assistir apenas a primeira de algumas outras vezes que verei Invictus.

Sou bem suspeito quando se trata de Mandela porque ele, ao lado de Fidel Castro, são hoje dois grandes ídolos vivos que cultuo. Mandela é um gênio da política, uma cara com sensibilidade capaz de unir um povo literalemente apartado. A certa altura afirma, sem medo, que o povo pode estar errado e o grande líder político é capaz de por em risco sua popularidade para mostrar o caminho mais consequente, capaz de conduzir melhor os destinos do conjunto da nação. É justamente o que ele faz ao convidar os desconfiados funcionários do gabinete da Presidência, que serviram ao regime racista, a permanecerem trabalhando em favor do país, ao confiar sua segurança a agentes que em outro momento histórico agrediram seu o povo e o tratavam como terrorista, ao enfrentar seus corregilionários do Congresso Nacional Africano (CNA) para que revertam uma decisão unâmine que acentuava a divisão do país e ao "usar" um símbolo branco, um time de rugby sulafricano, contra o qual os negros torciam, para fortalecer o sentimento de união nacional tão necessário naquele ano, 1995, quando a chamada "Reconciliação" ainda enfrentava enormes obstáculos.

Já faz um tempo que esporte política andam juntos. Pro bem ou pro mal sempre pode ser um poderoso instrumento político. Invictus fala de Mandela e da África do Sul, mas ninguém esquece de Hitler e os Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936, assim como Rafael Videla e a Copa do Mundo de Futebol da Argentina, em 1978. O Brasil vive um momento de grande preparação para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Além da enorme paixão popular, tem muita política no meio de tudo e foi justamente ela, e não a seleção do Dunga, nem nosso ainda promissor esporte olímpico que garantiram essas conquistas nacionais. Foi da atitude ousada e soberana do governo brasileiro, foi da nova configuração que o jogo político inernacional vai tomando, entre outras novidades, que sairam esses grandes desafios que o Brasil resolveu encarar. O povo vibrou, mas por conta da política e de uma incurável dor de cotovelo, tem muita ave de mau agouro torcendo contra, com a ajuda de gente até bem intencionada, mas bem equivocada também.

Saí mais fã ainda do Mandela e me cobrando a falta da leitura de uma biografia dele. Mas também saí mais convencido ainda de que o caminho que o Brasil tá fazendo é o melhor e pode melhorar muito mais. É assim, a gente saí de casa pra curtir o que o Luiz Severiano Ribeiro chamou de "maior diversão" - apesar de uma menor presença de gente nas salas de cinema ultimamente - e acaba também tirando umas lições e reafirmando algumas visões sobre a vida.



Pra variar o Clint Eastwood continua refinando seu talento como diretor, nos brinda com uma magnífica trilha sonora e referencia o filme no poema Invictus, que Mandela lia na Prisão da Ilha de Robben, onde permanceu 27 anos preso.


Invictus

Do fundo desta noite que persiste
A me envolver em breu - eterno e espesso,
A qualquer deus - se algum acaso existe,
Por mi’alma insubjugável agradeço.

Nas garras do destino e seus estragos,
Sob os golpes que o acaso atira e acerta,
Nunca me lamentei - e ainda trago
Minha cabeça - embora em sangue - ereta.

Além deste oceano de lamúria,
Somente o Horror das trevas se divisa;
Porém o tempo, a consumir-se em fúria,
Não me amedronta, nem me martiriza.

Por ser estreita a senda - eu não declino,
Nem por pesada a mão que o mundo espalma;
Eu sou dono e senhor de meu destino;
Eu sou o comandante de minha alma.

Autor: William E Henley
Tradutor: André C S Masini

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Escondendo a verdade

O Roberto Marinho dizia que a principal força dele não estava no que ele, através de sua poderosa rede de comunicação, dizia, mas sim no que ele deixava de dizer. E seus herdeiros continuam seguindo as lições do finado Cidadão Kane brasileiro. Tempos atrás o Jornal Nacional não noticiou a homenagem feita pelo jornal francês Le Monde ao Presidente Lula e esta semana não divulgou a pesquisa Vox Populi em que a Dilma subiu muito e o Serra desceu a ladeira com gosto de gás. Mas o site do Estadão também segue na mesma linha. Veja o que disse o blog Cloaca News sobre a postura daquele antro de reacionarismo:

Um dia desses, o portal Estadão, da corporação mafiomidiática O Estado de S.Paulo, lançou uma singela enquete, com o nítido propósito de demonstrar que o Presidente Lula não está com essa bola toda na hora de transferir seu prestígio. A pergunta, curta e grossa, é: "Você votaria no candidato do presidente Lula em 2010?" O escrutínio virtual , surpreendentemente, já conta com mais de 40 milhões de votos. Clique aqui para ir até lá sufragar uma das alternativas. E descubra por que o link da enquete desapareceu da página principal.
.
Atenção: caso apareça uma mensagem de erro no link da enquete, recarregue a página.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Parabéns, Henfil, e obrigado



O Henfil é desses caras que viraram irmãos de todos nós brasileiros, filhos da Dona Maria. Em sua vida não houve ditadura militar nem doença que lhe roubasse capacidade de rir e fazer rir. Com sua alegria fez do traço rebelde um poderoso instrumento em busca da democracia, da liberdade, de uma vida mais justa e melhor. Vivo, teria completado nesse 5 de fevereiro 66 anos, mas como le disse, ficou seu desenho e tudo que ele foi capaz de provocar.

Na década de 80 conheci Ivan, filho do Henfil e da Gilda, irmã da Gilse, que foi presidente do PCdoB no Ceará até 1992. Na época era um garoto, um menino muito legal, inquieto como o pai. Hoje ele cuida do Fradim, do Cumprido, da Graúna, do Bode Orelana, do Zeferino e do Ubaldo, seus irmãos. Esse convívio com a família do Henriquinho, como a Gilse o chamava, me fez sabedor de histórias e uma das mais incríveis é esta:

Após o AI-5, Gilse, então militante da Ação Popular - AP, foi presa pouco tempo depois de trazer ao mundo, junto com seu então marido, Abel Rodrigues, a Juliana. A ditadura não poupou vileza no tratamento dado a Gilse e mais outras moças de Minas para delas arrancar depoimentos que permitissem destruir a resistência ao regime militar. Numa das sessões de tortura os algozes anunciaram que, se aquela brava jovem não entregasse seus companheiros, sua filha seria afogada numa banheira com água gelada.

Lembro dos olhos marejados da Gilse ao contar isso, porque certamente doía-lhe ter que optar entre a vida da filha e a de outros tantos bravos. Ela resolveu apostar que os meganhas blefavam pois havia deixado sua menina aos cuidados da irmã e do cunhado. Mas como ter certeza disso? O genial cartunista resolveu a parada. Como já trabalhava fazendo tirinhas num jornal mineiro, Henfil deu um jeito de botar num desenho uma menininha brincando. Assim passou a mensagem pra cunhada que enfrentou com mais bravura ainda, mas não menos sofrimento e dor, seus torturadores.

Henfil era assim e sua obra continua viva entre todos nós, eternos admiradores.



Encontrei esse vídeo no Blog do Luis Nassif que o postou da seguinte forma:

Homenagens a Henfil

Por Fernando Curi

Nassif:

Se na Terra ainda estivesse, Henfil comemoraria, hoje, 66 anos e certamente perturbando mais do que fazia antes pois, afinal de contas, quem já era bom com o tempo melhora.

Água boa de ler

Ano passado eu fui assitir ao filme "O Homem que Engarrafava Nuvens", no Cine Ceará e saí maravilhado com aquele documentário muito bem dirigido pelo Lírio Ferreira (já havia dado show em filmes como Baile Perfumado e Árido Movie). Muito mais do que falar sobre a vida de Humberto Teixeira, faz um apanhado histórico capaz de deixar qualquer um cheio de água boa nos olhos. Ontem encontrei a jornalista Ana Karla Dubiela no Bar do Arlindo e começamos a conversar sobre crônicas - uma paixão dela que é apaixonada por Rubem Braga - e escritos. Prosa indo, prosa vindo, ela me falou dum texto sobre o dito filme. Cuidei logo de pedir que ela me mandasse que já tinha um lugar reservado pra ele nesse blog. Nem tinha lido, mas sabia que podia confiar no talento da moça (pura força de expressão!). Olhe aí seu eu num tô com razão e se num vai lhe dar uma vontade danada de catar um cinema onde a película esteja em exibição. Talvez um esforço inútil por contada concorrência dos chamados "bloquibusteres", mas que a Ana lhe deixou com vontade de ver deixou.


Humberto Teixeira: o baião de água boa


Iguatu quer dizer água boa, e água boa dá belos frutos. Um exemplo é o primo de meu pai, aquele homem que engarrafava nuvens: Humberto Teixeira. Desde criança, costumava ouvir histórias sobre este meu conterrâneo poeta. E essas histórias, como a brincadeira de telefone-sem-fio, chegavam até nós mal contadas e distorcidas. O documentário O homem que engarrafava nuvens, um sensível resgate de sua filha Denise Dumont, tenta fazer justiça a ela própria, a sua mãe Margarida Jatobá e também à memória do compositor cearense, que hoje divide o reinado do baião com o mestre Luiz Gonzaga.

O filme tem um certo olhar estrangeiro sobre o sertão nordestino, o que permite que se fuja, especialmente em algumas cenas, dos surrados estereótipos que reencontramos incontáveis vezes nas biografias de personagens nordestinos. A cantoria de Asa Branca, ainda mais lírica na voz de Maria Bethânia (e mais sofrida na versão do jovem e descabelado Caetano), traduz este olhar forasteiro numa das mais belas imagens do filme: os cavaleiros em slow motion, em verdadeiros animais encantados, que jamais teriam a mesma plasticidade se retratassem fielmente o cotidiano dos nossos vaqueiros.

Esse olhar de quem saiu do Nordeste ainda jovem para tentar a carreira de atriz no Rio de Janeiro e depois em Nova Iorque, revelado constantemente por Denise Dumont nas duas horas de projeção do documentário que produziu é, ao mesmo tempo, a virtude e o pecado da história. Não se pode negar que as raízes de Humberto Teixeira e do próprio baião ganharam um colorido e um contexto dignos de quem compôs nada menos que 400 canções, que ficaram na história da música brasileira. Por outro lado, a vida pessoal de Humberto Teixeira fica ainda mais misteriosa, salvo por sua predileção pelas mulheres de olhos verdes, bem registrada em “Kalu” (tira o verde desses ói de riba d'eu...).

Poucos nomes de nossa música ficam de fora da homenagem a Humberto Teixeira: além de Bethânia e Caetano, Chico Buarque, Gal Costa, Gilberto Gil, Bebel Gilberto, Dalva de Oliveira, Lenine, Alceu Valença e Cordel do Fogo Encantado, Carmem Miranda, David Byrne. A lista é longa e a direção musical de Guto Graça Melo, primorosa. O baião ganha versões japonesa, italiana e inglesa (na incomparável voz de Bebel Gilberto, interpretando “Juazeiro”), dialoga com o rock (Raul Seixas), o reggae, a bossa nova. O passeio histórico-musical do baião, no país e fora dele, é um ótimo motivo para se ver O homem que engarrafava nuvens.

Além de um reconhecimento ao trabalho bem menos visível do que talentoso de Humberto Teixeira, o filme lança fogo sobre as historinhas de família que diziam que Denise Dumont não usava o sobrenome Teixeira porque ele não era “artístico”. Não é bem assim: o próprio Humberto quis que ela retirasse o Teixeira do nome se resolvesse seguir a carreira de atriz, profissão que ele, publicamente, desaprovou. Depois de tantos anos de uma conflituosa (“próxima e distante”) relação com o pai, Denise Dumont (ou Teixeira) consegue provar, com o documentário, que o mito Humberto Teixeira é bem diferente de seu pai Humberto. E que aquela menina, Denise Dumont (ou Teixeira), na contramão da vontade do pai, amadureceu e agora se revela mais um talento da safra de Água Boa.



Papo de anjos

Nessa foto aí estão sentados o Rubem Braga e o Vinicius de Morais, entre eles José Carlos Oliveira, e em pé estão Paulo Mendes Campos, Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta) e Fernando Sabino. Um time de primeira, que eu na verdade botei aqui pra ilustrar um episódio que me foi contado pela Ana Karla Dubiela, uma apaixonada pelo Rubem Braga, da seguinte forma:

Reza a lenda que Vinícius e o meu Braga estavam conversando em um show de mulheres rebolantes. Vinícius pergunta:
- Já imaginou você comer um papo-de-anjo ao lado da mulher amada?
Ao que Rubem respondeu:
- Muito melhor seria comer a mulher amada ao lado de um papo-de-anjo...
Por isso Vinícius casou tantas vezes e o velho Braga desistiu de primeira

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Correio jaboti


Mais de 4o dias depois de ser postado em Budapeste, capital da Hungria, chegou pra mim um cartão postal enviado por uma amiga viajante. Ela foi , encarou frio pra mais de metro, conheceu muitos lugares legais, inclusive Bratislava, capital da Eslováquia, viu um pouco dos efeitos da experiência socialista e da restauração capitalista, voltou e o postal nada de chegar. Mas hoje ele chegou e com um belo por do sol que ela e suas parceiras de viagem não viram porque tava tudo cinza, sim.

Tudo bem que o lugar é longe pra dedéu, o frio danado deve ter ajudado a empacar um monte de serviços, mas acho uma demora meio exagerada nesses tempos tão avançados da comunicação. Fiquei até meio encabulado com receio da remetente num ficar imaginando que nem dei bolas pro cartão, mas soube que a demora foi quase a mesma pra outros destinatários.

Será que essa demora toda é por culpa da falada ineficiência do socialismo real ou já é consequência da restauração? Além de dizer que eu gostaria muito da cidade que virou tema de um belo livro do Chico Buarque, minha amiga diz pra mim que eles lá trataram muito mal a história. Na verdade o que li apenas reafirmou o que eu escutei ao vivo, antes do cartão chegar. Ainda bem que não era nada muito urgente. Mas fiquei muito contente por ter sido incluido na lista de destinatários. Vou guardar essa boa lembrança.

Aí fala, viu?


Quando o cabra é faladôzim, o povo diz que ele "fala mais do que a mulher da cobra". Só que eu acho que vamos ter que mudar essa comparação porque a tal mulher pode até falar muito - num sei se por causa da cobra ou por causa de ser mulher - mas eu duvido demais se ela fala mais e mais ligeiro do que esse vendedor de picolé que negocia seus geladinhos ali na Praia do Futuro. O cabra fala muito, fala ligeiro e fala gaiato. Ispie seu eu num tô certo.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Estaleiro, juízo no lugar

Luizianne e Cid precisam manter a prosa em dia

A jornalista, fotógrafa, videomaker, publicitária, professora universitária e ex-servidora municipal de Fortaleza, Luizianne Lins, deu um tempo nas merecidas férias que todo mundo tem direito pra deixar muito claro que "Fortaleza tem prefeita". A declaração tem o objetivo de demarcar com o governdor Cid Gomes uma opinião "terminantemente contra" a construção de um estaleiro em Fortaleza, mais precisamente na Praia do Titanzinho. Frizou ainda que conhece o projeto e que o governador vai precisar de licença para tocá-lo. Sua posição tem como base os protestos de vários segmentos contrários. No final da entrevista se despediu dizendo que ia voltar pras férias porque tinha que cuidar do juízo.

Ô declaraçãozinha infeliz! Pra começar abriu um flanco enorme pra gaiatice cearense. Só na edição onlaine do jornal O POVO que divulgou sua declaração tem mais de 150 comentários com uns poucos elogios - alguns bem pautados pelas chamadas "qualis" - e a grande maioria descendo a lenha.

Até aí nada tão grave, afinal todo gestor está exposto à crítica, boa ou má. Mas o que me admira é a falta de política, ou a visão política equivocada que orienta este gesto. Sinceramente, se dizer terminantemente contra um projeto que ainda não passa disso? Até o Cid Gomes topou debater a questão, porque Luizianne já se fechou? A questão é mesmo política? Vai cair na cilada que certos segmentos da mídia armaram pra fermentar mais uma "crise" na relação entre os dois gestores?

Tomara que a análise feita pelo Ceará Agora não seja verdadeira. Lá tá dito que Luizianne, além de tentar encalhar a ideia do estaleiro, também aproveitou a ocasião da abertura do período legislativo na Câmara Municipal de Fortaleza para ganhar mais força pra indicar o Valdemir Catanho como vice na chapa de Cid Gomes, que disputará as eleições este ano, e também que o PT, que ela preside, insistirá na indicação de José Pimentel, que a acompanhava, como candidato a senador. Precisa disso tudo pra se diferenciar, pra persitir na imagem de "mulher destemida"?

Não acho que seja essa a melhor forma de fazer política em aliança com outras forças Da mesma forma não é se fechando em posições intrasigentes que se administra em harmonia. A não ser que o objetivo seja outro, aí o caminho é esse mesmo, partir pra briga. Só precisa ter fôlego suficiente. Torço muito para que a Luizianne aprume o leme e conduza bem os destinos de nossa cidade nesse mar revolto. O povo e cidade merecem, as forças progressistas merecem e a Luizianne merece. Nessa ordem.

E o estaleiro?

Quero aproveitar pra meter meu bedelho nessa polêmica do estaleiro. Acho que não se deve perder oportunidade de ter no Ceará um empreendimento dessa magnitude. Além de milhares de empregos que gera, há também o fortalecimento da economia do estado, que necessita de um desenvolvimento realmente sustentável, que permita uma melhoria nas condições de vida do seu povo. Nossa terra vive um ciclo positivo e é por isso que muitos investimentos estão chegando. Antes que algum "cidadão puro" venha dizer que isso interessa à "burguesia desejosa de obter maiores lucros", eu antecipo dizendo que é também daí que vai surgir aquela classe revolucionária, capaz de "tomar o céu de assalto". Portanto deve ser feito muito esforço pra não deixar o estaleiro ir pra outro estado. Ponto e virgula

Agora, sobre o lugar onde deve ser instalado, aí eu acho que o debate deve ser mais profundo, pra ficar nos termos afins, deve ter maior calado. De cara não se deve excluir, nem definir um local. Ao invés da briga pública e de bastidores, que tal as partes promoverem um debate mais rico, aberto, considerando outras possibilidades? Sobre esse tema há muitas variáveis e muita gente é capaz de nos ajudar a refletir sobre elas. Penso que esse caminho pode ser melhor pro Ceará inteiro.

Vamos com calma, não é hora de perder o juízo.

Ora pois!

Hoje ao sair de casa encontrei esse caminhão de mudanças de uma empresa quase centenária e cujos donos provavelmente vieram d'além mar. Além das cores nada discretas, o que me chamou atenção foi a pérola do slogan: "O MUNDO GIRA E A LUSITANA RODA". Pois, pois...

Três meninas do PCdoBrasil

Aninha, Neidinha e Mariazinha ligadas na reunião do PCdoB flagradas pela Sonynha .
Meu bem querer por elas é dos maiores.
"Três meninas do Brasil,
Três corações democratas"