quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Encanto da Serra

Finalzinho da tarde desse último dia do ano uma tropa de aventureiros subiu a Serra da Meruoca pra conhecer um lugar chamado Ventura, onde tem uma vista magnífica do outro lado da serra. Faziam parte da expedição o meu irmão Veveu e seu genro João Wilson, nosso sobrinho Lucas, meu filho Guilherme e eu. Num foi fácil achar o lugar, erramos várias vezes por conta do nosso “guia” João Wilson, cheio de incertezas ( exigência do Gui ressaltar essa parte).

A luz do dia já tava findado quando subimos naqueles rochas incríveis, do alto de um lajeiros muito perigosos, mas de uma beleza incomum. Eu lá sabia que tinha um lugar tão bonito tão pertinho de onde eu cresci desde menino! Além de preocupado com a altura e os riscos de cairmos, principalmente meu ainda inexperiente e arisco Gui, eu fiquei mesmo foi emocionado, uma coisa pulsante mesmo. Fiz algumas fotos do lugar, do nosso encanto, da nossa contemplação. Quero compartilhar com você a beleza e o encanto desse lugar onde pretendo voltar sem muita demora.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Sobral também quer

Multidão faz protesto em Bilbao por uma seleção basca de futebol

Milhares de pessoas se manifestaram neste sábado em Bilbao (norte de Espanha) pela participação da seleção basca de futebol em torneios internacionais. "Nações como a Grã-Bretanha permitem, sem nenhuma exigência, que as seleções da Escócia, ou do País de Gales, participem de torneios internacionais com equipes próprias, e reivindicamos esse mesmo direito aos Estados espanhol e francês", disse Elisa Sainz de Murieta, secretária da organização de Eusko Alkartasuna (EA), um partido nacionalista. (Você percebeu que só falta um "T" pra igualar com a ETA, que se chama Euskadi Ta Askatasuna, País Vasco y Libertad, em espanhol?),

Os manifestantes caminhavam atrás de uma faixa, na qual se lia o lema "Euskal Herria, nazio bat, selekzio bat, federazio bat" (Euskal Herria, uma nação, uma seleção, uma federação). Uma seleção basca de futebol, oriunda das regiões bascas de Espanha e França, existe, mas não é reconhecida oficialmente pelas instâncias competentes, entre elas a Uefa, podendo disputar apenas jogos amistosos.


Orgulho sobralense

Num sei é porque já estou em Sobral há quase uma semana e ando meio sem ter o que fazer, mas depois de ler essa notícia acima, fiquei pensando se num é o caso de reinvindicar uma seleção autônoma de Sobral. Seria mais do que justo.

Pra começar a gente num ia querer cobrar nada da FIFA não. E o motivo é um só, não criar embaraços pra Seleção Brasileira chegar até a Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. Sei que ainda não temos time pra chegar lá com a seleção sobralense, mas vai que o Dunga falha mesmo, aí iam dizer que Sobral atrapalhou. Agora, a Copa América eu acho que daria pra gente encarar. É só ver o que têm feito seleções sem nenhuma tradição de futebol e mesmo a "Canarinha", que anda fazendo feio.

Pensando bem, poderíamos montar a equipe técnica a partir da dupla Teco-Teco e Nagib Marques. Qualquer um dos dois poderia ser o técnico e o outro o auxiliar, ou mesmo formaríamos uma dupla-técnica e já chegaríamos inovando. Como dirigente da seleção poderia ficar o Luiz Torquato que é pra nivelar com o Ricardo Teixeira, os dois sabem muito bem os caminhos tortuosos das pedras. Já temos estádio, o Juncão, que poderia ser também ampliado com melhores instalações para fazer um CT, na Serra da Meruoca poderia ser instalado um lugar para a concentração e o areal do Rio Acaraú é ideal para aprimorar o condicionamento físico dos craques.

Por fim o hino e o uniforme. Se o Pedro Lavandeira ainda fosse vivo poderia ser o autor do hino, mas é preciso passar o bastão para os mais jovens e aí eu mesmo me encarregaria de falar com o meu grande amigo João Rodrigues, que faria uma bela canção a ser gravada pelo pessoal da Escola Municipal de Música. As cores do uniforme seriam o grená, o amarelo e o branco da nossa bandeira e aí ficaria por conta das excelentes costureiras da terrinha a concepção do modelo e a própria confecção do manto sangrado sobralense. Já o escudo do uniforme teria o Arco N. S. de Fátima fazendo o contorno, tendo ao centro a Coluna da Hora, que foi atualizada, ao lado duma carnaubeira, a árvore da vida.

Bom, só faltou eu falar do time, que num é minha especialidade, mas acho que a base poderia ser o Guarany de Sobral, que acaba de subir pra Primeira Divisão. Um problema seria manter o capetinha Clodoaldo no time, mas aí acho que ele não se recusaria adotar uma nova nacionalidade, afinal o Dunga num tá nem aí pro cara. Dito isto, vamos partir pra mobilização popular e articulação política, essas sim, minhas especialidades.



Uma coisinha a mais: Eu tenho um enorme respeito pela luta dos bascos e por isso destaquei essa questão da luta por sua seleção. Nestes tempos atuais em que se imagina que não mais existem fronteiras entre os países, um povo querer afirmar sua nacionalidade é justo e tem meu apoio. Pátria Basca e Liberdade!






Gaza


José Saramago


"A sigla ONU, toda a gente o sabe, significa Organização das Nações Unidas, isto é, à luz da realidade, nada ou muito pouco. Que o digam os palestinos de Gaza a quem se lhes estão esgotando os alimentos, ou que se esgotaram já, porque assim o impôs o bloqueio israelita, decidido, pelos vistos, a condenar à fome as 750 mil pessoas ali registadas como refugiados. Nem pão têm já, a farinha acabou, e o azeite, as lentilhas e o açúcar vão pelo mesmo caminho. Desde o dia 9 de Dezembro os caminhões da agência das Nações Unidas, carregados de alimentos, aguardam que o exército israelita lhes permita a entrada na faixa de Gaza, uma autorização uma vez mais negada ou que será retardada até ao último desespero e à última exasperação dos palestinos famintos. Nações Unidas? Unidas? Contando com a cumplicidade ou a cobardia internacional, Israel ri-se de recomendações, decisões e protestos, faz o que entende, quando o entende e como o entende. Vai ao ponto de impedir a entrada de livros e instrumentos musicais como se se tratasse de produtos que iriam pôr em risco a segurança de Israel. Se o ridículo matasse não restaria de pé um único político ou um único soldado israelita, esses especialistas em crueldade, esses doutorados em desprezo que olham o mundo do alto da insolência que é a base da sua educação. Compreendemos melhor o deus bíblico quando conhecemos os seus seguidores. Jeová, ou Javé, ou como se lhe chame, é um deus rancoroso e feroz que os israelitas mantêm permanentemente actualizado".



Leia mais:
Se Gaza cair, Cisjordânia cairá depois


Pra George Jr, com vigor!

Esses aí são uns "cabra-ruim", "terroristas de alta periculosidade", que depois da ceia, se juntaram na noite de Natal e planejaram um ataque fulminante contra o comandante-chefe da invasão ao Iraque. A invasão resultou na morte de mais de 150 mil civis, destruição de sítios históricos e de lugares que são patrimônios da humanidade, desorganização da economia nacional e o agravamento das tensões entre setores religiosos. Quem provocou tudo isso merece muito mais que uma sapatada, muito mais que três sapatadas, merece o desprezo da humanidade, mas também merece a condenação veemente e mesmo a punição rigorosa, mesmo que tardia.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Prosa na calçada


O engenheiro José Privat, foi o responsável pela construção da Ferrovia Camocim-Sobral, lá pelo fim do século XIX, e por esta razão é um nome muito respeitado naquela cidade bucólica, onde molhei pela primeira vez os pés no mar, quando ainda era um pirralho. Era lá que o papai e a mamãe levavam os filhos pra curtir uma praia no fim de semana. Lembro que naquela época já existia o restaurante Fortim, que ainda hoje tá por lá e é bem frequentado.

Mas voltando ao Engenheiro Privat, é na rua com o nome dele, bem atrás de onde funcionou o Camocim Clube e defronte do antigo cinema da cidade, que me hospedo há mais de 30 anos. A casa é da Família Cela, uma turma tão querida e amiga, que uma parte já até se integrou com minha família. Foi nesse lugar aí que passei o final de semana, com o Guilherme e quase 30 pessoas. Tanta gente que nos espalhamos pela casa vizinha, que também é da família.

Nessa calçada aí da foto a prosa corre solta tarde-noite a dentro, e a informalidade dá o tom. É só ver como as pessoas ficam à vontade. Há centenas de histórias pra contar sobre as viagens a Camocim. Só nessa calçada aconteceram várias e não há uma só que me faça triste. Camocim é um lugar especial, do qual jamais me desligarei.




sábado, 27 de dezembro de 2008

Férias, o que fazer ...

Depois dum tempão sem saber direito o que são férias, este ano eu tô curtindo essa coisas meio estranha de não ter o que fazer. Aproveitei o recesso de fim de ano e vim pra Sobral, onde passei o Natal. Ontem fui a Fortaleza e trouxe o Guilherme que pretende ficar na Metrópole durante duas semanas. Eu sempre achei que esse meu menino sabe tomar boas decisões.

Planos por aqui não faltam, mas ainda hoje vamos a Camocim, e talvez visitemos o Mestre Matuto, que tá com a prole lá em Barroquinha, se preparando prum grande desafio. Terminar de ler o livro Neve, do Parmuk, botar outras leituras em dia, viajar mais no fim do mês, são alguns dos planos que ainda quero realizar nestas férias. Tudo isso com eventuais passagens por aqui pra comentar algumas coisinhas, como farei a seguir.

Veja só que jornalismo "morromeno"

Numa de nada fazer aqui na casa dos meus pais em Sobral, dei de cara com a última edição da Veja (aaarrgh!!!) e fui espiar o que aquele troço anda dizendo. Aliás uma coisa que aquele papel sujo de tinta não viu acontecer foi a sapatada do al-Zaidi no Bush. Simplesmente os caras ignoraram um fato que mexeu com o mundo inteiro. Acho que eles não saberiam como tratar e fizeram de conta que não era com eles. Vejam só a que ponto chega esse tipo de jornalismo. Prefere uma barrigada a ter que enfrentar a realidade. São iguais a esse turma aí do debate com o Protógenes, que prefere atacar o investigador, ao invés do bandido.

Saúde, dos negócios, é o que interessa

Mas entre uma das coisas que vi na Veja foi uma matéria sobre o Steve Jobs, dono da Apple, fabricante do iPod e do iPhone. O cara tem dinheiro sobrando, mas sua saúde ta muito pouca, tá mal mesmo. Resultado: as ações da empresa dele despencaram 7% na bolsa de tecnologia dos Estados Unidos,a NASDAQ, e como as perspectivas de sobrevivência de Jobs a um tipo raro de câncer no pâncreas são muito pequenas, já está criado um problema para a sobrevivência da empresa dele.

Um estudo da Universidade de Harvard, nos “Steitis”, diz que a sucessão do criador de uma empresa tende a encolher em 18% o seu valor de mercado e se a firma tem a cara do dono, aí é que o perigo é grande. Pensando nisso muitos empresários antecipam suas “aposentadorias” e preparam logo o terreno para que, quando “subirem aos céus”, o inferno não baixar em suas criaturas empresariais. Taí o Bill Gates, da Microsoft, que não me deixa mentir. Já nem dirige mais a empresa, que é tocada por um “chair-man” ( tradução literal homem-cadeira, o que senta no principal lugar da mesa – é só chegar em Sobral e meu inglês renasce, hehehe).

Isso é só pra saber que no capitalismo num tem essa de piedade, nem sentimentalismo. Já que a empresa tem seus donos, mas também tem seus acionistas, o importante é a saúde dos negócios e se o dono vai mal, que se “aposente” em nome dos dividendos que não podem cair. Ainda mais em tempos de crise braba do capitalismo.

Feijão sem acionistas

Agora eu fico aqui pensando na situação da Dona Zena, a da feijoada. Sábado passado eu tava numa conversa de bar com o Veveu, o Romeu Duarte e o Campelão, quando um deles, acho que o Romeu, disse que a mais deliciosa feijoada da cidade tava ameaçada de fechar. É que a idade da Dona Zena já compromete a manutenção daquele lugar maravilhoso, que durante a semana é um restaurante de "PF" e no sábado se enche de gente querendo se deliciar com um feijão divino, regado a uma cerveja gelada e acomanhando a prosa sem compromisso.

O problema é que Dona Zena não tem um sucessor, ou sucessora, e muito menos ações na bolsa de valores que provoquem a iniciativa de acionistas para salvar os negócios e os dividendos. Aqui também é a lei selvagem do capitalismo que explora o sangue e o suor humano até que a criatura não suporte mais. Se vai ter continuidade, isso é mero detalhe.

Gramática e publicidade

Neste final de ano recebi um cartão muito simpático duma agência de publicidade. A mensagem natalina também continha uma oferta de serviço que se resumia em dizer: “Em 2009 queremos estar presente em sua vida”. Retornei a mensagem e observei que havia um pequeno erro de concordância entre “queremos” e “presente”. É aquele velho problema de deixar o “S” sem emprego.

Recebi uma resposta reafirmando o acerto do texto e dando como exemplo dois textos publicitários, um da PETROBRAS e outro da Kibon, que continham a mesma falha observada por mim. Respondi que no caso da estatal, não era seu tamanho que a livrava da gramática e que a sorveteira tinha entrado numa fria. A nova resposta de lá afirmava que se tratava de uma questão corporativa, e que a gramática autorizava, mas eu continuo achando que a coisa num ta certa.

Se alguém souber mais algo, pode corrigir a mim, ou ao publitário. É só mandar sua opinião.




Agora, me dê licença que o Guilherme e eu vamos dar uma chegadinha até Camocim pra encontrar uma turma boa e curtir o restinho de sábado, mais o domingo. Amanha a gente volta.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

O nosso sonho

Há muitas razões nessa vida pra gente se confraternizar. Há muitas ocasiões na vida inteira pra gente se confraternizar. Mas se não dermos o menor sentido às nossas confraternizações, não haverá razões para as ocasiões em que nos confraternizamos. No final do ano há o que chamamos período de festas, em que todos se confraternizam, se congratulam, renovam as esperanças e planejam os novos tempos. É esse o sentido que quero dar a essa confraternização. Alimentar o sonho da paz, da harmonia, de busca da felicidade e da justiça social. Essas coisas não virão sem que as busquemos, sem que lutemos por elas. E é por isso que desejo a você o sonho, que é nosso, e por isso é realizável.



terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Melhores filhos e filhas

Taí uma coisa que mexe muito comigo é a trajetória dos que enfrentaram ditaduras, ousaram ir além. Os inconformados merecem sempre homenagens. Num é a toa que tenho destacando tanto o destemor de Muntazer al-Zaidi, o cabra que sacudiu seus sapatos no cachorro Bush.

Hoje o Governo do Ceará indenizará 37 pessoas que foram perseguidas, presas e torturadas no estado durante o regime militar. A quantia é quase simbólica, varia entre 5 e 30 mil reais, num paga nada do que essa turma sofreu. O mais importante é o gesto do estado, o reconhecimento que tem dívidas com homens e mulheres que dignificam a humanidade. Uma será paga em valor pecuniário, a outra em reconhecimento, pedindo desculpas.

Ao se desculpar com esses lutadores, o estado se desculpa com o povo, por eles representado. São esses os melhores filhos e as melhores filhas do povo, jovens abnegados, inconformados, e que serão sempre merecedores de nosso respeito. Estejam ou não na luta, mesmo que tenham abandonado seu ideais, merecem nossa homenagem porque dedicam suas vidas, ou dedicaram parte delas, ao sonho, à liberdade, ao povo, à pátria, à construção de uma nova vida.

Por fim quero reproduzir as palavras do Patinhas, Presidente do PCdoB no Ceará, sobre esse episódio. Disse ele: “Este é ainda um ato educativo para as gerações mais jovens que não viveram os tempos da ditadura. É a afirmação do papel que os presos desempenharam com atitude corajosa. Podemos afirmar, sem dúvidas, que muito da democracia que o país respeita hoje foi fruto da coragem dos heróis que combateram naqueles tempos”.




Aqui estão os 37 homens e mulheres que o Ceará repara hoje:


1. Antônio Augusto Martins de Medeiros, nascido em 08 de julho de 1950. Na época dos fatos era estudante secundarista e participante do movimento estudantil. Acusado de integrar o PCBR – Partido Comunista Brasileiro Revolucionário, um dos grupos clandestinos que lutavam contra ditadura militar. Preso na Polícia Federal, Polícia Militar (antigo 5º Batalhão) e DOPS no dia 15 de março de 1969 por um período de 55 dias, sendo obrigado a interromper os estudos e abandonar o estado, indo morar em Brasília.

2. Antônio Cauby Damasceno (falecido), nascido em 06 de janeiro de 1922, exercia a profissão de garçom, integrando o sindicato da categoria. Membro do PCB – Partido Comunista Brasileiro. Preso por vários meses no DOPS e 23º BC no ano de 1964, onde foi vítima de maus tratos. Vigiado durante todo o período da ditadura, a mudança de emprego foi uma constante, decorrente das pressões exercidas sob os empregadores.

03. Antônio Paulino da Silva (falecido), nascido em 02 de novembro de 1916, exercia a profissão de técnico do IBGE e era integrante do setor urbano do PC do B (Partido Comunista do Brasil). Preso na DOPS e 23º BC no ano de 1972, foi levado para a famigerada “Casa dos Horrores”, local clandestino de tortura mantido por diversos órgãos estaduais e federais da repressão política da ditadura.

04. Carlos César Uchoa Barreto - Cesinha(falecido), nascido em 01 de julho de 1950, era bancário e membro ativo do sindicato da categoria e integrante do PC do B. Preso na DOPS e 23º BC no ano de 1973 e submetido a torturas na chamada “Casa dos Horrores”.

05. Astrolábio Batista (falecido), nascido em 30 de junho de 1922, era vereador em Baturité e membro do PCB – Partido Comunista Brasileiro. Teve o mandato cassado e foi preso e torturado nas dependências do DOPS e 23BC.

06. Clodoaldo Pinto de Castro, nascido em 14 de janeiro de 1935, era motorista e simpatizante do PCB – Partido Comunista Brasileiro. Sua prisão decorreu da apreensão de uma carta datada a poucos dias do golpe, de sua autoria, solicitando emprego ao deposto presidente João Goulart. Além de preso e submetido a maus tratos, foi demitido. Preso na DOPS e 23º BC no ano de 1964.

07. Durval Aires de Menezes (falecido), nascido em 13 de fevereiro de 1922, iniciou sua carreira de jornalista no jornal O Democrata, órgão oficioso do semi-clandestino PCB, na segunda metade dos anos 50. Jornalista de renome, trabalhou em vários órgãos da imprensa cearense, sendo sua última ocupação no jornal Diário do Nordeste, onde era editorialista. Membro da Academia Cearense de Letras e autor de livros, artigos e crônicas. Integrou o PCB – Partido Comunista Brasileiro até o ano de 1960. Preso em 1964 no DOPS e 23BC, foi demitido do emprego no Dnocs.

08. Edna Veras Ferreira, nascida em 28 de agosto de 1958. Como estudante secundarista, integrava em 1968 o combativo CESC (Centro dos Estudantes Secundaristas do Ceará). Em 1970, foi tirada em plena sala de aula e levada à diretoria onde já se encontravam dois agentes da DOPS, que a levaram presa, sendo em seguida entregue ao Exército, e torturada nas dependências do 23BC e DOPS. Expulsa do colégio onde estudava, o Justiniano de Serpa, permaneceu vigiada até o fim da ditadura, ocasionando sucessivas interrupções nos estudos. Nesse ano de 2008 teve deferido seu pedido de retomada do curso de História na UECE.

09. Evilásio Gonzaga da Rocha, nascido em 29 de janeiro de 1935, era bancário e membro ativo do sindicato da categoria no ano de 1968, sendo um dos organizadores da célebre greve dos bancários naquele ano. Demitido do banco onde trabalhava, foi preso pelo DOPS e Polícia Federal e submetido a torturas em suas dependências.

10. Francisco Derly Pereira, nascido em 22 de junho de 1939, era funcionário do BNB, de onde foi demitido por exercer atividades consideradas “subversivas” pelo então regime. Preso pelo aparelho repressor do regime militar em 1973 e levado para a “Casa dos Horrores” e 23º BC. Conforme certidão da Agencia Brasileira de Informação (ABIN), teve sua vida vigiada de 1962 até o ano de 1989, portanto, um ano depois do restabelecimento em nosso país do Estado Democrático de Direito. Pertenceu aos quadros do PCB e ALN.

11. Francisco Edson Pereira, nasceu em 30 de outubro de 1942. Quando de sua prisão pela Polícia Federal, em 1973, já exercia a profissão de farmacêutico, diplomado pela UFC. Filiado ao PC do B, foi submetido a torturas na “Casa dos Horrores”, junto com outros diversos membros do partido.

12. Francisco Lopes da Silva (Chico Lopes), nasceu em 13 de agosto de 1939. Foi aluno do extinto Colégio Fênix Caixeral, tendo sido presidente de seu grêmio estudantil. Quando foi preso, em 1973, era contador e funcionário da Prefeitura Municipal de Fortaleza. Integrante do PC do B – Partido Comunista do Brasil, foi um dos presos na “Casa dos Horrores”.

13. Geraldo Magela Lins Guedes, nasceu em 21 de maio de 1948. Por ocasião de sua prisão, em 1973, era estudante da Universidade Federal do Ceará (UFC), Faculdade de Engenharia e integrante do PC do B (Partido Comunista do Brasil). Preso na cidade de Icó, foi recolhido a Cadeia Pública daquela cidade e em seguida transferido para Fortaleza, onde foi submetido a torturas na “Casa dos Horrores” .

14. Gil Fernandes Sá, nascido em 08 de junho de 1944, era sindicalista do segmento bancário, funcionário do BNB, e membro do PC do B – Partido Comunista do Brasil. Preso pelo aparelho repressor e levado para a “Casa dos Horrores” em 1973. Demitido, só retornou ao banco em 1989.

15. Gilberto Telmo Sidney Marques,nasceu em 23 de abril de 1944. Aluno de Física da UFC, por sua atuação no movimento estudantil e na clandestina ALN – Ação Libertadora Nacional, foi obrigado a deixar o estado, indo para São Paulo, onde foi preso em 1970 pela tristemente famosa OBAN – Operação Bandeirante, estrutura da repressão política mantida com ajuda de empresários. Depois de passar pelo DOPS cearense, permaneceu por 05 anos preso no IPPS – Instituto Penal Paulo Sarasate.

16. Hugo de Paiva Bezerra (falecido), nasceu em 12 de outubro de 1931. Exercia a função de assistente administrativo na extinta Rede Viação Cearense (ramo ferroviário). Filiado ao PCB – Partido Comunista Brasileiro. Preso na Delegacia do Crato, DOPS e 23º BC no ano de 1964 e submetido a maus tratos. Demitido, permaneceu perseguido e vigiado durante todo o período de vigência da ditadura.

17. João Xavier de Lacerda (falecido), nasceu em 1 de outubro de 1925. Comerciante, foi preso em 1970 em operação conjunta das Polícias Federal, Militar e Civil sob acusação de dar apoio à ALN – Ação Libertadora Nacional em suas atividades no Ceará. Torturado, teve sua vida social, profissional e emocional destroçada, com conseqüências para toda sua família.

18. José Francisco da Silva (falecido), nascido em 06 de março de 1925, era ferroviário pertencente ao sindicato da categoria, Preso na DOPS e posteriormente, 23º BC no ano de 1966, sofrendo maus-tratos em ambos, foi condenado a 5 anos de prisão, cumpridos no manicômio Judicial e hospital psiquiátrico.

19. José Lopes Barbosa (falecido) Nascido em 12 de março de 1923, era profissional alfaiate dos mais requisitados em Fortaleza e exercia a presidência do sindicato da categoria quando foi preso nos primeiros dias do golpe militar de 1964. Acusado de pertencer ao PCB (Partido Comunista Brasileiro), foi preso pelo DOPS e depois de alguns dias recambiado para o quartel do 23º BC , sendo em ambos vítima de maus tratos. Destituído da presidência do sindicato por ato de força dos ditadores de plantão, seu negócio de alfaiataria sofreu os reflexos da perseguição política de que passou a ser alvo durante vários anos, com prejuízos a toda família.

20. José Alves da Silva Terceiro (falecido), nascido em 09 de setembro de 1938, exercia a profissão de escriturário da extinta RVC – Rede Viação Cearense e participava ativamente do Sindicato dos Ferroviários do Ceará. Em conseqüência, foi aposentado compulsoriamente. A pensão era recebido pela esposa - viúva de marido vivo - como acontecia com todos os ferroviários na mesma situação. Preso na DOPS e 23º BC em 1966, sofreu maus tratos e foi obrigado a migrar com a família para o estado do Piauí, onde continuou sendo alvo de perseguições, sendo demitido de vários empregos.

21. José Barbosa Sobrinho (falecido) Nascido em 30 de março de 1912, integrava o PCB – Partido Comunista Brasileiro. Trabalhava como colaborador intelectual no O DEMOCRATA, jornal oficial do PCB. Preso em 1964, foi arrancado do leito do hospital São Raimundo onde se encontrava recuperando-se de uma delicada cirurgia de fistula, por agentes da DOPS e posteriormente recambiado para o 23º BC., sendo vítima de maus-tratos.

22. José de Arimatéia de Fonseca e Brito, nascido em 28 de maio de 1934, exercia o cargo de auxiliar administrativo do DNOCS e tinha simpatia pelo PCB – Partido Comunista Brasileiro. Apesar de preso por apenas 11 dias nas celas da DOPS e 23º BC, onde sofreu maus-tratos, foi demitido do emprego e continuou perseguido por todo o período da ditadura.

23. José Elpídio Cavalcante, nascido em 27 de agosto de 1943. Na época dos acontecimentos (1973) era farmacêutico bioquímico e acusado de pertencer aos quadros do PC do B – Partido Comunista do Brasil, com atuação em Iguatu. Preso na Delegacia de Iguatu e Polícia Federal. Levado pelo aparelho repressor do regime militar para a “Casa dos Horrores”, onde sofreu torturas.

24. José Maria Tabosa, nascido em 25 de maio de 1941, era diretor do Sindicado dos Sapateiros da cidade de Fortaleza, e acusado de pertencer ao MCI (Movimento Comunista Internacional). Preso na Delegacia do Pirambu, bairro onde até hoje reside, e depois recambiado para Policia Federal no ano de 1973. As torturas que lhe foram infligidas tiveram início no momento mesmo de sua detenção. Demitido da fábrica onde trabalhava e destituído da diretoria do sindicato.

25. José Milton Barbosa do Carmo (falecido) , nascido em 07 de setembro de 1924, era membro da diretoria do Sindicato dos Marceneiros da cidade do Crato. Preso pela DOPS em 1964, amargou 7 meses de prisão e mais de 11 anos de perseguição pelos aparelhos de repressão da ditadura, com conseqüências para toda sua família.

26. José Hélio de Góis Pereira (falecido), nascido em 06 de setembro de 1942, era estudante de nível médio e integrante do Grêmio Literário Carlos Câmara, da antiga Escola Técnica Industrial do Ceará, hoje CEFET. Preso em 1964 na DOPS e 23º BC, onde sofreu maus tratos durante 18 dias, continuou sendo perseguido por vários anos, causando-lhe prejuízos na obtenção de empregos e ascensão profissional.

27. José Tarcísio Costa, nascido em 12 de maio de 1931, na época era bancário do Banco do Brasil e pertencente ao sindicato da categoria. Preso na Delegacia do Crato, DOPS e 23º BC, sendo vítima de maus tratos. Teve sua ascensão profissional prejudicada pelas perseguições que continuaram por longos anos.

28. Júlio César Portela Lima. Nascido em 01 de janeiro de 1948. Aluno do curso de engenharia da UFC e bancário (BNB). Acusado de pertencer ao PCdoB, foi preso em 1973 pela Polícia Federal e levado para a “Casa dos Horrores” . Fez candente denúncia de torturas durante interrogatório perante o conselho de justiça da Auditoria Militar da 10ª. Circunscrição Judiciária, cujo relato consta do livro “Tortura Nunca Mais” .

29. Lourival Almeida de Aguiar (Zito),nascido em 26 de maio de 1946, pertenceu à diretoria do CESC – Centro dos Estudantes Secundaristas do Ceará, na segunda metade dos anos 60. Quando foi preso, em 1970, em operação conjunta envolvendo as Polícias Federal, Militar e Civil, cursava Administração na UFC. Acusado de pertencer à Fração Bolchevique-Trotskysta, amargou torturas, ficou preso 10 meses no 5º. Batalhão e no IPPS. Demitido de seu emprego na White Martins, continuou sendo perseguido por todo o período de vigência da ditadura.

30. Marcelo Mário de Melo, pernambucano, nascido em 18 de junho de 1944, era estudante atuante no movimento estudantil secundarista de seu estado natal. Militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro) e posteriormente PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário), com atuação no Ceará. Vivendo na clandestinidade desde a decretação do AI-5, em 1968, e procurado pelos órgãos de repressão da ditadura que expunha sua foto em cartazes “Procuram-se terrroristas”, foi preso em 1971 no Rio Grande Norte, onde iniciou-se sua via crucis de torturas, envolvendo Pernambuco e Ceará, sendo interrogado na Polícia Federal e DOPS estadual cearense. Ficou preso durante quase 9 anos, em Pernambuco, sendo libertado com a anistia de 1979.

31. Maria Antonietta Duarte Silva, nascida em 06 de junho de 1939, era membro da JEC (Juventude Estudantil Católica) e da AP (Ação Popular) e atuava em trabalhos de educação popular pelo método Paulo Freire. Presa na Cadeia Pública de Barbalha e na Escola de Menores Jesus Maria José, em Juazeiro do Norte, no ano de 1964, escola transformada em quartel pelas forças da repressão política.

32. Maria de Fátima Rocha Maranhão, nascida em 23 de marco de 1940, não tinha militância política, sendo somente parente de uma ativista do PCBR, a quem deu abrigo. Presa pela DOPS, Policia Federal e 23º BC, em três ocasiões nos anos de 1969 ,1972 e 1973, e vítima de maus tratos.

33. Maria Quintela de Almeida, nascida em 21 de maio de 1944, atuante no movimento estudantil secundarista de Fortaleza na segunda metade dos anos 60, quando fez parte da diretoria do CESC (Centro dos Estudantes Secundaristas do Ceará), que viria a ser fechado pela ditadura após a decretação do AI-5, em 1968, e todos os seus pertences confiscados, inclusive parque gráfico. Teve militância ligada ao POR(T) – Partido Operário Revolucionário Trotskysta, seção brasileira da IV Internacional, e ao PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário). Presa e vítima de maus tratos em diversas ocasiões pelo DOPS cearense, com a decretação do AI-5 migrou para Pernambuco, onde foi presa em 1972 e torturada juntamente com uma prima. Retornando ao Ceará, viria a ser presa novamente pelo DOPS e Policia Federal do Ceará, em 1977, sob acusação de pertencer a um grupo insurgente denominado “Contra-corrente” .

34. Ricardo de Matos Esmeraldo, nascido em 01 de novembro de 1949, era líder estudantil no curso de engenharia da UFC e integrante do PC do B Partido Comunista do Brasil). Preso em 1973, na DOPS, Policia Federal, 23º BC e levado para “ Casa dos Horrores”, onde, como todos os que tiveram a infelicidade de ali passarem, sofreu cruéis torturas.

35. Tarcisio Rolim Gomes, nascido em 15 de janeiro de 1945, fazia parte do movimento estudantil universitário e era membro do PC do B (Partido Comunista do Brasil). Já formado em engenharia civil pela UFC, com o AI-5 foi deslocado pelo partido a que pertencia para atuar no interior do estado. Preso em 1973 pelo aparelho repressor do regime militar, foi um dos que amargou os tristes tempos da “Casa dos Horrores”. Além das conseqüências físicas e emocionais decorrentes das torturas sofridas, enfrentou toda ordem de dificuldades na obtenção de emprego em sua área profissional durante toda a vigência da ditadura, inclusive demissões.

36. Paulo Farias Veras, nascido em 08 de abril de 1952, quando de sua prisão em 1973 pelos órgãos de repressão política federal e estadual, era um brilhante aluno do curso de medicina na UFC. Acusado de pertencer ao PC do B – Partido Comunista do Brasil, sua passagem pela “Casa dos Horrores” deixou-lhe seqüelas permanentes, inclusive o abandono definitivo do curso.

37. Valter Pinheiro, nasceu em 12 de dezembro de 1944. Quando de sua prisão em 1971 era estudante universitário da UECE. Preso por acusação de pertencer a um grupo denominado MCI – Movimento Comunista Internacional. Integrou também o PCBR – Partido Comunista Brasileiro Revolucionário. Mais um dos que tiveram a desdita de passar pela “Casa dos Horrores”, sendo também torturado na Polícia Federal. Demitido da função de professor em diversos cursos e colégios durante a vigência da ditadura.


As informações sobre cada são produzidas pela Assessoria de Comunicação do Governo do Estado.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

20 anos sem Chico Mendes vivo

Eu só tinha escutado falar do Chico Mendes por conta da homenagem que ele recebeu da ONU devido sua luta pela preservação da Amazônia. Um pouco mais vida dele, eu só fui saber mesmo depois que sua morte estúpida chocou o país e muita gente pelo mundo a fora. O Inácio Arruda era vereador em 1989 quando pediu que a Câmara Municipal de Fortaleza fizesse uma homenagem ao Chico e como eu trabalhava com ele acabei tendo muito contato com a história e conversei com o Raimundo Mendes, seu primo, que veio do Acre pra homenagem.

Chico Mendes tinha já uma longa trajetória de lutas, antes mesmo de se tornar conhecido pelo mundo inteiro por sua luta ambientalista. Teve inclusive uma atuação muito próxima ao PCdoB e não é à toa que sua filha se chama Helenira, uma homenagem a Helenira Resende, estudante baiana, ex-vice presidente da UNE, que lutou na Guerrilha do Araguaia. Chico Mendes foi assassinado no dia 22 de dezembro de 1988, há 20 anos, mas sua presença ainda é muito forte e seu exemplo é seguido por muitos que defendem não só um meio-ambiente sustentável, mas também melhores condições para os trabalhadores e o povo. Um detalhe, Chico era mais um dos filhos de cearenses que seguiram pra Amazônia, os "soldados da borracha".



domingo, 21 de dezembro de 2008

Domingo Clássico

Se você chegou por aqui no domingo vai aí um clássico da MPB sobre que fala nesse dia da semana que a gente tira pra relaxar. Mais embaixo tem crise do capitalismo, LPs, militância política, bairrismo sobralense e tais mais.

Curta a música maravilhosa do nosso Gilberto Passos Moreira Gil na interpretação histórica com Os Mutantes ...





...e nessa simpática montagem em vídeo.


Idéias mortas

Praguejei muito contra a ex-ministro da ditadura Roberto Campos, o Bob Fields, mas queria muito que ele tivesse vivo hoje e visse o que o capitalismo vive atualmente, diferentemente do que ele almejou como sendo um sistema eterno. Veja só o que ele disse quando houve a derrocada da primeira experiência socialista.

"O colapso do socialismo não foi mero acidente histórico, resultante da barbárie da União Soviética ou da perversão de carniceiros como Stalin e Mao Tsé-Tung. Era algo cientificamente previsível. Os aludidos cientistas sociais teriam certamente chegado a essa conclusão se, ao invés de treslerem a história, tivessem lido os grandes liberais austríacos".

Agora, o que será que ele diria ao ver o ex-presidente do Banco Central dos Estados Unidos, Alan Greenspan, se desculpando pelo que fez ao seguir o que disseram "os grandes liberais austríacos"? Veja abaixo um matéria publicada no UOL em 23.10.2008, sobre um discurso de Greenspan na Câmara de Representantes dos EUA.


"O ex-presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano) Alan Greenspan acredita que os Estados Unidos estão no meio de "um tsunami creditício", e que a turbulência financeira o deixou "em um estado de estupor".

O ex-funcionário discursou hoje diante do Comitê de Supervisão da Câmara de Representantes dos EUA (Câmara Baixa), em uma audiência sobre o papel das agências de controle financeiro e econômico do Governo enquanto era criada a atual crise dos mercados.

Segundo fragmentos de seu testemunho divulgados pelo escritório de Greenspan, o homem que dirigiu o Fed entre 1987 e 2006 acredita agora que as empresas e mercados financeiros "deveriam ser muito mais regulados, para impedir um tsunami financeiro como o que não vimos em um século".

Durante o período no qual Greenspan liderou o Fed, acelerou-se nos Estados Unidos a eliminação de regulações, e diminuiu a aplicação das que ficaram de pé, enquanto, nos mercados financeiros, multiplicaram-se novos "instrumentos" de especulação.

Greenspan disse que "está em choque e não pode acreditar" como os bancos e as empresas financeiras não se vigiaram e controlaram a si próprias, que é com o que ele e outros responsáveis de supervisão no Governo contavam".

O homem ainda admitiu que deveria rever alguns dogmas em que acreditava até então. E o Bob, hein, o que diria agora?

Carta de despedida

O texto abaixo já tem quase dois meses mas nem todo mundo conhece e é um artigo do Frei Betto que criou uma bem escrita carta de despedidas do "deus-mercado" depois da crise braba em que se enfiou o capitalismo. Vale a pena ler.

"Peço desculpas

Estou gravemente enfermo. Gostaria de manifestar publicamente minhas escusas a todos que confiaram cegamente em mim. Acreditaram em meu suposto poder de multiplicar fortunas. Depositaram em minhas mãos o fruto de anos de trabalho, de economias familiares, o capital de seus empreendimentos.

Peço desculpas a quem assiste às suas economias evaporarem pelas chaminés virtuais das Bolsas de Valores, bem como àqueles que se encontram asfixiados pela inadimplência, os juros altos, a escassez de crédito, a proximidade da recessão.

Sei que nas últimas décadas extrapolei meus próprios limites. Arvorei-me em rei Midas, criei em torno de mim uma legião de devotos, como se eu tivesse poderes divinos. Meus apóstolos - os economistas neoliberais - saíram pelo mundo a apregoar que a saúde financeira dos países estaria tanto melhor quanto mais eles se ajoelhassem a meus pés.

Fiz governos e opinião pública acreditarem que o meu êxito seria proporcional à minha liberdade. Desatei-me das amarras da produção e do Estado, das leis e da moralidade. Reduzi todos os valores ao cassino global das Bolsas, transformei o crédito em produto de consumo, convenci parcela significativa da humanidade de que eu seria capaz de operar o milagre de fazer brotar dinheiro do próprio dinheiro, sem o lastro de bens e serviços.

Abracei a fé de que, frente às turbulências, eu seria capaz de me auto-regular, como ocorria à natureza antes de ter seu equilíbrio afetado pela ação predatória da chamada civilização. Tornei-me onipotente, supus-me onisciente, impus-me ao planeta como onipresente. Globalizei-me.

Passei a jamais fechar os olhos. Se a Bolsa de Tóquio silenciava à noite, lá estava eu eufórico na de São Paulo; se a de Nova York encerrava em baixa, eu me recompensava com a alta de Londres. Meu pregão em Wall Street fez de sua abertura uma liturgia televisionada para todo o orbe terrestre.

Transformei-me na cornucópia de cuja boca muitos acreditavam que haveria sempre de jorrar riqueza fácil, imediata, abundante.

Peço desculpas por ter enganado a tantos em tão pouco tempo; em especial aos economistas que muito se esforçaram para tentar imunizar-me das influências do Estado. Sei que, agora, suas teorias derretem como suas ações, e o estado de depressão em que vivem se compara ao dos bancos e das grandes empresas.

Peço desculpas por induzir multidões a acolher, como santificadas, as palavras de meu sumo pontífice Alan Greenspan, que ocupou a sé financeira durante dezenove anos. Admito ter ele incorrido no pecado mortal de manter os juros baixos, inferiores ao índice da inflação, por longo período. Assim, estimulou milhões de usamericanos à busca de realizarem o sonho da casa própria. Obtiveram créditos, compraram imóveis e, devido ao aumento da demanda, elevei os preços e pressionei a inflação. Para contê-la, o governo subiu os juros... e a inadimplência se multiplicou como uma peste, minando a suposta solidez do sistema bancário.

Sofri um colapso. Os paradigmas que me sustentavam foram engolidos pela imprevisibilidade do buraco negro da falta de crédito. A fonte secou. Com as sandálias da humildade nos pés, rogo ao Estado que me proteja de uma morte vergonhosa. Não posso suportar a idéia de que eu, e não uma revolução de esquerda, sou o único responsável pela progressiva estatização do sistema financeiro. Não posso imaginar-me tutelado pelos governos, como nos países socialistas. Logo agora que os Bancos Centrais, uma instituição pública, ganhavam autonomia em relação aos governos que os criaram e tomavam assento na ceia de meus cardeais, o que vejo? Desmorona toda a cantilena de que fora de mim não há salvação.

Peço desculpas antecipadas pela quebradeira que se desencadeará neste mundo globalizado. Adeus ao crédito consignado! Os juros subirão na proporção da insegurança generalizada. Fechadas as torneiras do crédito, o consumidor se armará de cautelas e as empresas padecerão a sede de capital; obrigadas a reduzir a produção, farão o mesmo com o número de trabalhadores. Países exportadores, como o Brasil, verão menos clientes do outro lado do balcão; portanto, trarão menos dinheiro para dentro de seu caixa e precisarão repensar suas políticas econômicas.
Peço desculpas aos contribuintes dos países ricos que vêem seus impostos servirem de bóia de salvamento de bancos e financeiras, fortuna que deveria ser aplicada em direitos sociais, preservação ambiental e cultura.

Eu, o mercado, peço desculpas por haver cometido tantos pecados e, agora, transferir a vocês o ônus da penitência. Sei que sou cínico, perverso, ganancioso. Só me resta suplicar para que o Estado tenha piedade de mim.

Não ouso pedir perdão a Deus, cujo lugar almejei ocupar. Suponho que, a esta hora, Ele me olha lá de cima com aquele mesmo sorriso irônico com que presenciou a derrocada da torre de Babel."

sábado, 20 de dezembro de 2008

Sexta-feira sortuda

A sexta-feira foi uma dia muito corrido, mas dos mais compensadores. Depois duma reunião com sindicalistas e o Chico Lopes, fui pra confraternização do PCdoB com muita descontração e camaradagem, é óbvio, marcada pelo sentido de união entre os que buscam a conquista de uma sociedade justa, fraterna e democrática, como disse lá o Patinhas. Ao final da tarde fui deixar a Neidinha, chefe de gabiente do Chico Lopes em Brasília, no aeroporto. Como o vôo atrasou, fomos a livraria, onde nunca resisto. Comprei dois livros pro Guilherme e um de presente pro Rafinha, filho da Neide. Comecinho da noite e lá fui eu ver o Guilherme na casa da Dona Eridan, avó dele, que tava aniversariando. A noite foi avançando e ainda tinha agenda a cumprir: a comemoração do Gersinho, da União da Juventude Socialista, que foi aprovado pra Direito na Unifor. Uma prosa boa, principalmente sobre música e memórias do movimento estudantil, regada a umas doses de cachaça Mangueira no bar do Feitosa, que no Benfica, pertinho donde eu moro.

Mais de meia-noite, eu já ia pra casa quando resolvi visitar o casal Ivete "Shaman" e Ednard, que mora a poucos mestros do Feitosa e estava inaugurando a radiola que haviam comprado com mais dezenas de LPs. Pois aí a noite, ou madrugada, virou criança. Ficamos até depois das 3 horas, proseando sobre tudo. Música de todo tipo - lá tinha bolachões do Altamar Dutra (metade das músicas do disco eram do Evaldo Gouveia), Chico Buarque (inclusive o clássico "Chico e Caetano", Clara Nunes, Pim, Elvis Presley e mais uma ruma doutros -, Cuba, viagens européias, mancadas e histórias muito engraçadas. Foi a melhor forma de encerrar a sexta-feira muito proveitosa num lugar muito agradável e um casal acolhedor. Sou muito feliz por sermos tão queridos uns dos outros.

Aproveite pra curtir um dos clássicos da noite de ontem.

Escutando formigas

Participei da minha primeira reunião como militante do PCdoB em 8 de março de 1982 (tenho orgulho dessa data por minha decisão haver coincidido com o Dia Internacional da Mulher), mas não lembro direitinho quando iniciei minha militância política. Em 1979 participei, junto com o hoje advogado Menescal Júnior, da eleição do Grêmio do Colégio Sobralense. Perdemos a eleição mas fomos convidados para participar do trabalho da entidade devido a algumas propostas que tínhamos. Uma delas, o FEMUP - Festival de Música e Poesia - chegou a ter umas três edições, mesmo depois de nos mudarmos pra Fortaleza.

É isso, militância política é uma espécie de contaminação da qual a gente não tem a menor vontade de se livrar. Lembrei disso depois de ler no Portal Vermelho uma entrevista do Senador Jose "Pepe" Mujica, da Frente Ampla, do Uruguai. Ele, que, durante a ditadura em seu país, foi um dos líderes do grupo guerrilheiro Tupamaros, deverá ser candidato a presidente do seu país com grande chance de ser eleito. Sua entrevista é muito interessante e andei catando uns trechos pra reproduzir aqui. Mujica é um exemplo de que a contaminação da política é muito saudável, principalmente quando se buscar o bem estar de seu povo. Leia o que ele diz, assista o que ele fala sobre a liberdade e depois veja se não tenho razão.



"Estar na política é como estar em uma sala com muito de ruído e onde nunca se apaga a luz".


"Eu amo a Espanha por cima de minhas raízes e dos pleitos que a dividem. Não a Espanha da charanga e do pandeiro a que se referiu António Machado [poeta espanhol, 1875-1939, jornalista e militante republicano), mas para aquela dos pequenos botequins de bairro e dos povoados banhados em luz, onde as pessoas se cumprimentam pelo nome".


"A ETA é a crónica de um litígio não resolvido. Ela é o testemunho de que os nacionalismos resistem veementemente a essa discreta evaporação das fronteiras – geográficas ou étnicas – trazida pela globalização".


"Eu não acho que o bom desempenho de um governo esteja em desacordo com a vocação de construir uma sociedade razoavelmente justa. Existem hoje na América Latina governos para todos os gostos, mas nenhum que tenha renunciado a buscar comida, moradia e cuidados de saúde para os mais necessitados. O mesmo acontece em países ricos. (...) Eu não sou um defensor de boicotar as importações, nem de deixar os agricultores entregues à própria sorte, mas tampouco de se governar com os olhos postos na redação do Wall Street Journal".


O senhor passou treze anos na prisão, em solitária, numa cela. Como conseguiu manter sua cordura?

"Não era uma cela, era um poço. Eu tive que aprender a disciplinar-me: inventava ferramentas e as aperfeiçoava com minha imaginação. Minha única companhia eram as formigas: aprendi que esses insetos gritam. Pode-se comprovar quando se aproxima o ouvido. Eu também aprendi que o homem tem recursos inesgotáveis para enfrentar a adversidade. É por isso que dói muito quando alguém se sente quebrado e renuncia à vida".


quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Modéstia à parte

"O mundo moderno começou em 29 de maio de 1919, quando fotografias de um eclipse solar, tiradas na Ilha do Príncipe, na África Ocidental, e em SOBRAL, no Brasil, confirmaram a verdade da nova teoria do universo." ( Paul Johnson, historiador inglês, autor do livro Modern Times: The World from the Twenties to the Nineties ).


COMPROVAÇÃO DA TEORIA DA RELATIVIDADE NO CEARÁ

Um eclipse total do Sol em 1919, observado por uma equipe inglesa de cientistas na cidade de Sobral, no Ceará, seria o responsável por fazer do físico alemão Albert Einstein (1879-1955) uma das maiores celebridades deste século. Nesse fenômeno, ficaram comprovadas as idéias de Einstein sobre os efeitos da gravidade sobre a luz.
Fotografando estrelas posicionadas próximas a borda do Sol, foi possível mostrar que os raios de luz emitidos por elas "entortavam-se" ao passarem perto do Sol, atraídos por seu intenso campo gravitacional.

Com a notícia da comprovação da teoria da relatividade geral, publicada em 1916, seu autor ganhou fama mundial. A ciência ganhava uma nova teoria da gravitação universal, que substituiria aquela proposta no século 17 pelo físico e matemático inglês Isaac Newton (1642-1727).


Fonte:Museu de Astronomia e Ciências Afins www.mast.br

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Cuba musical

Há uns 3 anos assisti ao filme "Habana Blues". Tinha pouca gente na sala de cinema do Dragão do Mar e lembro que ao final fiquei ali na poltrona, parado, sob o efeito de uma das mais belas obras da chamada "sétima arte". Confesso que qualquer coisa que tenha uma música que me agrade, já leva vantagem, pouco importando o que vem depois. Mas Habana Blues é muito mais que a música incrível. Aliás é exatamente um painel de todo tipo de música da brava ilha socialista. E quem pensa que a trilha sonora é só de canções exaltando a luta do povo e ao socialismo, tá muito enganado. Lá se toca e canta de tudo, e esta é uma razão forte pra curtir o filme, que trata justamente do drama de uma banda que é seduzida pela indústria fonográfica.

Bom, quem quiser assistir, corra numa locadora, mas antes aproveite e curta essa música aí - Arenas de Soledad - que é na verdade o meu motivo pra fazer essa postagem. Preste atenção, tente entender tudo que é dito e cantado.


Meireles, desapeia!

Agora num tem jeito mesmo, o Henrique Meireles tem de sair mesmo da Presidência do Banco Central do Brasil. Ou cai ou faz como o ex-presidente do BC dos Estados Unidos - Federal Reserv, ou FED, Alan Greenspan, que diante da inevitável intervenção do estado nos bancos e empresas de lá, jogando dinheiro direto pra salvar o capitalismo, disse era obrigado a admitir que deveria abrir mão de muitos dos dogmas em que acreditava até então. Aqui, o Meireles ainda acredita que somente os juros altos salvam o Brasil da crise que assola o mundo. Pra ele é preciso conter o consumo. Enquanto isso o Lula, que deveria mandar nele, diz e repete que o povo deve consumir. Parece brincadeira, né?

Pois sim, só que a pátria inspiradora do tucano enfiado no governo brasileiro mudou de orientação e fez desabar os juros por lá, que podem ser até de 0%. E a justificativativa é a melhor possível. Preste atenção nas justificativas para baixar os juros por lá, segundo matéria publicada hoje no UOL.

"Entre a reunião anterior, em 29 de outubro, e a de hoje, o Fed se viu diante de dois dados principalmente que evidenciam a fragilidade da economia americana: o mês de novembro registrou a perda de 533 mil empregos e o Nber (Escritório Nacional de Pesquisa Econômica, na sigla em inglês) informou que a economia americana está em recessão desde dezembro de 2007.
.....

No comunicado da reunião de outubro, o Fed já reconhecia que "o ritmo da atividade econômica parece ter caído acentuadamente, devido em grande parte a um declínio nos gastos dos consumidores. Em outubro, de fato, os consumidores americanos se tornaram mais avessos a fazer gastos no clima de incerteza sobre a economia: a queda naquele mês foi de 1%, a maior desde setembro de 2001. Em setembro já havia sido registrada uma queda de 0,3%.
....

A aversão dos consumidores a gastar tem raiz na situação crítica do mercado de trabalho. Os números assustam: os 533 mil empregos eliminados da economia do país em novembro marcaram 11 meses consecutivos de fechamentos de postos de trabalho no país; o corte também foi o maior desde dezembro de 1974; a taxa de desemprego subiu e chegou a 6,7%, a mais alta das duas administrações do presidente americano, George W. Bush; o total de desempregados nos EUA já atingiu 10,3 milhões, sendo que 2,2 milhões estão sem emprego há mais de 27 semanas; desde o início da recessão, o número de pessoas desempregadas aumentou em 2,7 milhões."

Isso aí significa que o Meireles tá fora do tom, inclusive em relação ao seu guia de economia. Portanto, ou ele segue seu chefe daqui e os de lá, ou "pede pra sair".

A batalha entre dois lobos

Recebi do meu velho e querido amigo Dilson Pinheiro um email com um diálogo que quero compartilhar com vocês. Tá logo aí embaixo:


"Uma noite, um velho índio contou ao seu neto sobre a guerra que
acontece dentro das pessoas.
Ele disse: "A batalha é entre os dois lobos que vivem dentro de todos nós".
Um é Mau. É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça,
arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade,
mentiras, orgulho falso, superioridade e ego.
O outro é Bom. É alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade,
humildade, bondade,benevolência, empatia, generosidade, verdade,
compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:
- Qual lobo vence?
O velho índio respondeu:
- Aquele que você alimenta...."

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Orgulho justo

"Graças a Deus, o ato de Muntadhar enche os corações do Iraque de orgulho.Tenho certeza que muitos iraquianos querem fazer o que Muntadhar fez. Ele costumava dizer que Bush é o responsável por todos os órfãos cujos pais foram mortos", Uday al-Zaidi, irmão do jornalista da TV independente al-Baghdadiya.

A emissora em que Muntadhar al-Zaidi trabalha se recusou a pedir desculpas exigidas pelo governo fantoche do Iraque, que considerou a sapatada um ato "bárbaro" - se jogar um sapato é barbarie, imagine jogar bombas contra um povo - e ainda exigiu a liberação imediata de Zaidi, "de acordo com a era democrática e com a liberdade de expressão que as autoridades norte-americanas prometeram aos iraquianos". Para a TV qualquer medida mais dura contra o repórter será uma lembrança da "era ditatorial" contra a qual Washington disse ter invadido o Iraque.

Agora dê uma olhadinha na gentileza da turma do Bush no Iraque contra o jornalista, que corre o risco de ser condenado a dois anos.

Sola nele!

Todo mundo deve ter visto essa imagem aí embaixo do jornalista iraquiano - até agora não se disse o nome do cara e eu isso pode preocupar porque ali no Iraque reina o terror de estado, lembra-se da prisão de Abu Graib? - jogando os sapatos no Bush Jr. Mesmo assim eu resolvi postá-la em homenagem a ele e sua ousadia. Pra mim isso tem um significado enorme, do mesmo jeito que os invasores americanos tentaram simbolizar a aceitação da invasão com a aquela imagem da estátua do Saddam Hussein sendo derrubada - diga-se de passagem por soldados invasores. Lembram que alguns iraqueanos batiam na estátua com a sola dos sapatos? Isso é um gesto de repousa dos iraquianos, como vocês vão ver no vídeo. Fico quase com inveja do jornalista, que lamentavelmente não acertou aquele gringo "fila", mas atingiu moralmente. E se o sapato dele era 42, o meu é 44, e se pega no Bush ia doer muito mais.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Sete Anões sem a Branca de Neve

É difícil alguém que num saiba a história da "Branca de Neve e os Sete Anões", muita gente sabe o nome dos personagens da história, mas pouca gente já sabe a verdadeira história dos sete anões. Além da Branca de Neve, os personagens se chamam Atchim, Dunga, Dengoso, Feliz, Mestre, Soneca e Zangado. Só que na história verdadeira eles se chamam Charles, Cleidy, Gilberto, Zuleide, Cláudio, Rogério e Cleidiomar, o "Lobão" - neste caso não é o da história dos Três Porquinhos.

Na quinta-feira passada, dia 11, o Guilherme e eu fomos conhecer a história de verdade e saímos de lá encantados. Um circo brasileiro, nordestino, circula pela metade do Brasil tendo como atrações principais sete anões, todos irmãos. Quem quiser saber mais é só ir no cinema do Dragão do Mar e se deliciar com o documetário "Circo Pindorama". É maravilhoso, emocionante, engraçado e cheio de exemplos de superação. É livre e muito recomendável para crianças e adultos. Na sessão que fomos na platéia só tinha 7 pessoas, triste coincidência. Além de nós dois, uma mãe com seu filhotinho e um pai com um casal de filhos. Lamentável, mas espero que pelo menos quem ler essa postagem aqui vá, leve mais gente e depois recomende pra muito mais.


Coincidência: Quando eu tava assistindo o filme e vi um caminhão-trailer do Circo Pindorama lembrei que já tinha visto aquela imagem. Foi no penúltimo dia do segundo turno da campanha de São Luís. Eu fui dirigindo um carro na carreata e quando terminou, na periferia da cidade, eu e o Carlos Décimo, não sabíamos mais como voltar pro hotel. Liguei pra Lene, assessora do Flávio Dino e ela pediu que a gente ficasse em frente ao circo que tava lá. O dito cujo era justamente o Circo Pindorama, que eu teria ido ver o espetáculo, antes de voltar pra Fortaleza, se já soubesse da verdadeira história do sete anões.

Agora curta aí o trailer do filme.


Proteção de campanha

O Washington trabalha como motorista do mandato do Chico Lopes há quase dois anos, mas o conheço a uns quatro, quando trabalhou comigo durante a campanha do Inácio Arruda, em 2004, pra prefeito de Fortaleza. Somos amigos e há sempre uma conversa agradável, mesmo quando eu resolvo "dar uns conselhos" ou mesmo uns carões nele. Hoje a gente viajava de Crateús pra Fortaleza e a prosa comia solta quando ele contou mais uma de motorista.

Inácio era candidato a senador, em 2006, e pede o Washington para pegá-lo em casa. Entra no carro e seguem pela BR 116. A certa altura, depois de mais de 50 km rodados, o motorista pergunta praonde é mesmo a viagem. Inácio diz que ia se encontrar com o Cid Gomes, candidato a governador, em Limoeiro do Norte e de lá seguiriam juntos de helicóptero. Destino atingido, Cid já tinha se mandado pra Tabuleiro do Norte e lá vão os dois por terra. Finalmente senador e governador se encontram. Antes de entrar no carro pra voltar pra Fortaleza, Washington é abordado por uma senhora que pretendia falar com Inácio, o que não foi possível porque do palanque ele seguiu pro "cabra-cego de metal" e se mandou. O mulher pede e Washington se dispõe a fazer um favor. Ela entrega um pacote e diz pra entregá-lo pro Inácio, que estava correndo muito perigo, segundo ela. Washington promete entregar, mas estranha o pacote e, cauteloso, resolve ver de que se tratava. Era um quilo de sal-grosso. Na correria da campanha, todo dia num lugar diferente, Washington num lembra se falou pro candidato sobre a tal encomenda, mas a guardou no bagageiro do carro e de lá só tirou depois da campanha que elegeu um comunista pro Senado Federal sessenta anos depois de eleger Luis Carlos Prestes em 1946 o primeiro senador comunista do Brasil.

É isso gente, eleição tem muito de articulação política e trabalho duro ao longo da campanha, principalmente quando é majoritária. Mas nunca é demais um pouco de superstição.

Fecundado há um ano

No dia 13 de dezembro do ano passado o médico Carlos Felipe, hoje prefeito eleito de Crateús esteve em Fortaleza, na sede do Comitê Estadual PCdoB. Queria criar um blog na internet pra debater a situação de sua cidade e ajudar a preparar o terreno pra sua candidatura. O Patinhas, presidente do partido me chamou pra ajudar e eu pedi ajuda da Flaviene, assessora do Inácio Arruda justamente nessa área. Vai e volta, foi criado o blog Sertões de Crateús, que num foi muito adiante, mas a candidatura foi, e muito bem. Desde ontem, por coincidência, tô em Crateús, acompanhado do Guilherme, justamente tratando questões da futura administração dirigida pelo PCdoB.

Alguém deve tá perguntando. E daí? Onde é que o INácio quer chegar com essa prosa? Explicando: é que depois de criado o blog do Felipe, eu resolvi ver se sabia criar um e acabei fecundando o que seria o Do Carvalho. Fiz uma primeira postagem falando de uma lenda dos druidas, que teria originado o reveillon e fazia uma ligação entre a árvore do Carvalho e uma plantinha chamada Gui. Não podia ter melhor maneira de fecundar essa minha curtição, que somente nasceria pra valer no dia 8 de maio de 2008, dia do aniversário do Guilherme. Pois é,um ano depois tamo aqui, depois de 240 postagens, um bucado de comentário e gente amiga reclamando que ando preguiçoso, escrevendo pouco. Por mim eu tava aqui todo dia, proseando e inventando coisa. Mas a vida num permite tanta disponibilidade. Prometo me esforçar pra melhorar essa invenção. Valeu!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

A dor do autor

Uma das agradáveis novidades do rádio no Ceará é a Rádio FM Assembléia,96,7 Mhz, da Assembléia Legislativa do Ceará. Pra começar é mais uma forma da população acompanhar as sessões, os debates e as coisas que acontecem no legislativo estadual. Mas além disso a programação musical é muito boa, variada e com uma grande valorização da música brasileira. Agora, o toque especial é que cada música é apresentada com um brevíssimo, mas importantíssimo histórico que cita os autores e contextualiza a composição. Isso é coisa da Fátima Abreu, diretora da rádio que no começo repetia muitas músicas porque poucas tinham muitas apresentações prontas e era preciso que se dissesse pelo menos quem são os autores.

Pois bem, quando lançou um disco independente, há uns quinze anos, o Geraldo Azevedo incluiu a música Dona da Minha Cabeça, dele e do Moraes Moreira. Só que o Fagner também pediu pra gravar e o Geraldo num quis muito, mas de tanto o Raimundo insistir, acabou cedendo com a condição de que a música não fosse usada como "carro chefe". Ela já tinha sido escolhida pra cumprir esse papel no disco independente, que já tem naturalmente mais dificuldade no mercado dominado pelas grandes gravadoras. E num é que aconteceu justamente o contrário do que o Geraldinho pediu? Quando contou essa história no caderno Cultura, do jornal O POVO, ele disse que a música virou uma "dor na minha cabeça". Aproveite e gaste três minutos e meio curtindo essa bela versão acústica.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

"Perdulação" na Gringolândia

Eu era um menino véi quando ganhei o meu primeiro dinheiro suado. Meus irmãos e irmãs que já iam pra aula usavam o famoso sapato colegial, que igualava todo mundo pelos pés. Pois eu aprendi engraxar sapatos, tinha uma lata de cera preta, uma escova e uma flanela. Lá em casa num faltava brilho nos sapatos de ninguém, pelo menos nos pretos. Eu ganhava umas merrequinhas e torrava tudo no refresco com pão das bodegas do Belchior, do Seu João e outras que num lembro o nome agora, além de muito picolé comprado ali no picolezeiro que se instalava na esquina do museu Dom José, em Sobral. Também andei matando uma graninha juntando oiticica lá no Otoladorrie e vendendo a lata de 20 litros (Querosene Jacaré) por cinquenta centavos. Era um dinheiriin de nada, mas dava pra fazer cada farra... O da oiticica também virava refresco com pão nas bodegas daquela região da periferia de Sobral, principalmente no Ormá e no Zé Maria.

Mas nada dessas minhas farras infantis se compara, nem de muito longe, ao que tá sendo feito pra salvar o capitalismo da crise braba que o sistema anda vivendo desde agosto do ano passado. Nos últimos séculos os Estados Unidos gastaram alguns "punhados de dólares" em coisas que vão desde a compra do estado de Louisiana à França - do México eles tomaram alguns (Califórnia, Novo México, Texas, etc) sem pagar um "dólar furado", até guerras de rapina e invasões, passando por pesquisas espaciais.

Recentemente foi divulgada uma tabela com esses gastos americanos e os valores, principalmente os mais recentes, me levaram aos tempos de leitura das histórias de Patópolis, quando a fortuna do Tio Patinhas era calculada em quaquilhões, zilhões e coisas assim. Dê só uma espiadinha, mas antes vale destacar que o gasto maior foi do estado norte-americano intervindo fortemente na economia, ao contrário do que pregam por aqui os tucanos e demos, seguindo os conselhos justamente dos gringos, que acusam o Brasil de ser perdulário com o dinheiro público. Vamos ver quem "perdula" mais.

Plano Marshall (1947-1951) - US$115 bilhões

Compra de Louisiana (1803) - US$ 217 bilhões

Corrida à Lua (1958-1972) - US$ 237 bilhões

Crise da Poupança (1986-1995)- US$ 256 bilhões

Guerra da Coréia (1950- 1953) - US$ 454 bilhões

New Deal (1933-1941) - US$ 500 bilhões

Guerra do Vietnã (1963-1975) - US$ 698 bilhões

NASA (1958-2008) - US$ 851 bilhões

Guerra do Iraque - US$ 597 bilhões (podendo chegar a 2,1 trilhões)

II Guerra Mundial - US$ 3,6 trilhões

Crise atual - US$ 3,1 trilhões (podendo chegar a 10 trilhões!!!)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

530 milhões de anos em 5 minutos

Há uns 10 dias encontrei esse vídeo maravilhoso sobre a evolução animal, desde um ser marinho surgido há 530 milhões de anos até os nossos primeiros ancestrais diretos. A primeira pessoa a quem eu mostrei foi ao Guilherme, que curtiu demais e ainda foi narrando alguns momentos, dando mais detalhes do que as imagens. Curta você também e veja se num a natureza num é maravilhosa, inclusive por ter criado o homem.

Tô querendo briga

No início desta semana a assessoria do Senador Tasso Jereissati mandou pra mim e prum monte de gente o seu boletim eletrônico. Das vezes anteriores eu lia o bicho, mas depois deletava e pronto. Dessa vez, em função do assunto tratado, o empréstimmo pedido pela Petrobras à Caixa Econômica Federal, resolvi tentar abrir um debate e respondi à assessria fazendo comentários e perguntas. Chamei prum debate e avisei que seria público. O boletim chegou às 21:19h, do dia 02 e eu respondi, num quase arroubo, quase na lata, a 1:43h, do dia 03, ou seja 3 horas e 26 minutos depois. Até agora não recebi um retorno, mas vou começar a publicar o papo, aguardando que receba retorno. Desde já asseguro que publicarei do jeito que vier, mas também retornarei do meu jeito.

Veja abaixo o boletim do Tasso, que aliás chega como Notícias do Senado, e não do mandato dele, único assunto que é tratado. Mais embaixo você poderá ler minha resposta-comentário-pergunta.


TASSO VOLTA A QUESTIONAR SITUAÇÃO FINANCEIRA DA PETROBRÁS

O senador Tasso Jereissati voltou a reafirmar que a Petrobras enfrenta uma crise de caixa. Durante pronunciamento na tribuna do Senado, nesta terça-feira, o senador cearense retomou o debate, inciado por ele na última semana, quando apresentou detalhes de um empréstimo contraído pela empresa junto à Caixa Econômica Federal (CEF), de R$ 2 bilhões. Para Tasso, a Caixa "fez um empréstimo de capital de giro para a Petrobras. Não foi empréstimo para investimento, não foi empréstimo para aquisição, foi empréstimo para capital de giro, ou seja, para o dia-a-dia da companhia, que estava sem caixa". Além disso, o empréstimo fugia à normalidade das operações da Caixa Econômica, outro ponto que deveria ser esclarecido. A Caixa, até aquela data, havia aplicado em 2008 tão somente R$ 1,3 bilhão para habitação, em toda a região nordeste do Brasil.

O novo pronunciamento do Senador aconteceu após integrantes do Governo terem classificado de "terrorista" a atitude da oposição ao abordar a questão, levantando suspeitas sobre a situação financeira da Petrobras. Tasso afirmou que não havia dito que a empresa estava quebrada, mas sim com problemas de caixa e que chegavam notícias de que não estava pagando a seus fornecedores.

"O que dissemos aqui no plenário foi confirmado por todos. A crise de liquidez está no balanço da própria empresa, identificando que ela tem a pagar mais do que tem a receber a curto prazo", afirmou o senador. Tasso avalia que a Petrobrás teria obtido tratamento privilegiado, devido a taxa de juro utilizada ter ficado abaixo do mercado.

Em seu pronunciamento, Tasso ainda analisou a situação do preço da gasolina no Brasil, apontado como o mais caro do mundo. Para ele, "pagamos a gasolina mais cara do mundo, quase três vezes o que se paga nos Estados Unidos e mais do que na Europa. Se compararmos com produtores de petróleo, o preço da nossa gasolina é quatro, cinco vezes maior". O pior, é que, em função do aumento significativo dos custos havidos na Petrobrás, tanto em despesas de custeio, como com despesas bilionárias em consultorias, ele podia antever que a Petrobras não diminuirá tão cedo o preço da gasolina, deixando de repassar ao consumidor brasileiro o benefício da baixa dos preços no mercado mundial. Os brasileiros serão penalizados pela má gestão da empresa.

Chamando pro debate

Caro assessor de imprensa do senador, acho que é salutar fazer debate sobre todas essas questões que são levantadas, inclusive sobre a situação da Petrobrás e do próprio país. Penso que ao ver o estrago que a crise está fazendo pelo mundo a fora, quebrando empresas como a GM e até o Citi Bank, pra ficar só nessas, o que ocorre no Brasil parece bem distante do que aconteceria se tivesse prevalecido o modelo que o senador que paga seu salário defendeu e foi aplicando durante oito anos do FHC e tucanos+pefelistas. Se o distinto assessor se recordar um pouco vai lembrar que os ganhos da Petrobrás - que tentaram até mudar o nome para PETROBRAX (!!!!!), por razões ditas mercadológicas, mas verdadeiramente descaracterizadoras da identidadade nacional da maior empresa brasileira - eram muito mais no mercado financeiro do que na produção. Hoje a Petrobrás - que transformou-se numa empresa de energia, e nao apenas de petróleo - é um dos vetores do crescimento verdadeiro do pais, enquanto nos governos FHC o país parou de fato. Isso de fato incomoda o senador, afinal deve ser muito doloroso ver o Brasil, sob a direção de um governo politicamente distinto do dele, ter hoje um posição muito respeitável, soberana e ativa no cenário mundial. Isso dói na alma de alguém que imagina o Brasil servil, com um papel secundário na cena mundial. Daí porque é preciso alardear uma "denúncia"que foi respondida pelo governo através do Ministro Mantega e do próprio Presidente Sérgio Gabrielli, de quem o senador tem verdadeira ojeriza porque ousou "peitá-lo" numa reunião ocorrida a alguns anos atrás. Vocês precisam fazer oposição, mas devem ser honestos com o Brasil e os brasileiros, ao invés de fazer onda em cima de marola.

Gostaria por fim de levantar duas questões:

1. Quando era governador do Ceará, o senador Jereissati enviou uma mensagem para a Assembléia Legislativa em que dizia estarem em curso as obras de terraplanagem da companhia siderúrgica no Pecém e que já estavam em avançada negociação a instalação da refinaria de petróleo também no Pecém. Isso não passou de um blefe desse que se imagina o eterno poderoso no Ceará. Caro assessor, você já trabalhava com o seu assessorado na época? Lembra-se disso? Teria algo a dizer? Diga, porque aí poderemos alimentar este debate.

2. Diga-me também se é correto que um empreendimento comercial socorrer-se de "detalhes legais" ( não sei se achei a expressão correta, mas talvez isso não seja o fundamental) para utilizar recursos públicos a fim de promover maiores ganhos? Sendo mais objetivo, o Shopping Iguatemi está utilizando recursos captados via Lei Federal de Incentivo a Cultura para realizar sua decoração e programação natalina a fim de incrementar os ganhos na ordem de 15%, como noticiou o Jornal O POVO, no último dia 19. Você vai dizer que tudo correu dentro da lei e não tem culpa da lei permitir. Antes de vir com esse argumento cíinico, digo-lhe que a questão não é essa. Trata-se aqui de refletir se os recursos parcos destinados a cultura devem servir para ampliar o lucro de uma atividade empresarial. Se você disser que o governo que eu defendo foi quem aprovou, eu lhe digo que é mais cínico ainda, porque nessa hora você vai defender o governo e eu vou criticá-lo por não ter promovido a alteração na legislação para evitar esse tipo de distorção. Fica posta a questão, também para ser debatida. Espero que você se dê ao trabalho pelo menos de ler. Se o fizer, fico satisfeito. Se topar o debate, vamos adiante, mas adianto, ele será público.

Com respeito,

INácio Carvalho

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

O Francisco e o Beiçola

Em 1978 uma cara de 18 anos tava ali pela Praça José de Alencar, no centro de Fortaleza, e achou de cometer a loucura de roubar um relógio. O cabra num era ladrão coisa alguma, mas caiu na besteira e logo foi preso. Pois por conta de "descuido" o Francisco Ferreira Silva, conhecido como Beiçola, foi parar no Instituto Penal Paulo Sarasate, IPPS, de onde num saiu nunca mais. Pois é, o cara tá preso há 30 anos porque roubou um relógio. É lógico que ele acabou se metendo noutras "broncas" que viraram novas razões pra prolongar sua estadia. Uma das "novas ações" do foi justamente a tentativa de fuga, liderada por um cara chamado "Carioca", que usou como refém D. Aloisio Lorscheider, então Arcebispo de Fortaleza.

Há uns anos o então Diretor do Instituto Médico Legal, Francisco Simão, apresentou numa audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Ceará um relatório de um exame de "corpo delito coletivo", feito em quase todos os detentos do IPPS, justamente depois da tal tentativa de fuga. Na verdade ele acabou fazendo um diagnóstico meio sociológico daquela população carcerária e digo pra vocês, é uma coisa alarmante a situação em que vivem mais de mil homens enjaulados num lugar em que deveria caber talvez a metade. Entre as muitas coisas graves que me chocaram, era exatamente a enorme quantidade de presos cujas penas já estavam cumpridas, mas eles continuavam presos.

A situação do Beiçola, que é amigo de infância do meu calega de trabalho Washington, nos choca, porém o mais grave é imaginar que muitos outros estão no IPPS e em vários outros presídios espalhados pelo Brasil e pelo mundo vivendo a mesma situação. Lembro que no filme Um Sonho de Liberdade, que se passa numa penitenciária dos Estados Unidos, havia um personagem bem idoso que após décadas na prisão foi posto em liberdade e não sabendo o que fazer com ela acabou se suicidando.Agora imaginem se o Beiçola fosse solto, o que aconteceria com o Francisco Ferreira Silva?

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Conde escondido

Alguém sabe onde fica, em Fortaleza, a praça Dom José Tupinambá da Frota? Pois bem, se alguém trafegar pela Avenida 13 de Maio e encontrar numa pracinha minúscula, escondido atrás duma banca de revistas, um busto todo sujo, com uns rabisco de mau gosto, e nem vai saber que é do Bispo-conde de Sobral, porque até a placa foi arrancada.

Essa pracinha, que é uma coisa pequenina mesmo, fica em frente ao Banco do Brasil, próxima da Rua Jaime Benévolo - pra quem já viveu um pouco mais, pertinho de onde ficava a Casa D'Itália. Fui ao banco pagar umas contas ( o dia 25 pra mim é um tormento!) e ao sair vi que o que conceituado sobralense tá mal visto por aqui. Tenho a impressão que a comunidade sobralense deveria fazer algo. Poderia até "adotar" a praça, como é feito com algumas por aqui. Acho mesmo um desrespeito essa situação. Há certas controvérsias sobre o papel de Dom José, mas isso não vem ao caso, o fato é que o que se poderia chamar de "um pedaço de Sobral", tá bem abandonado por aqui.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Argentino bom demais!

Pronto, agora que eu aprendi a postar vídeos, vou arrumar um monte pra vocês verem coisas magníficas. Esse aqui é um belíssimo comercial da Aerolíneas Argentinas que une criança e criatividade. Já vi muito comercial na vida e esse é um dos melhores, mais inteligentes. É encantador! Deliciem-se!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Educação, desafio e simplicidade

"O que chamo de resultados é escola ensinando e aluno aprendendo" Isolda Cela, Secretária de Educação do Ceará

Essa frase aí da secretária está numa excelente entrevista dela para a última revista Universidade Pública, da Universidade Federal do Ceará - UFC. Ali ela fala com muita franqueza sobre a situação real da educação no Ceará, mas aponta saídas viáveis, sustentadas em três pilares: "financiamento, responsabilização e gestão eficiente, tanto no ambito dos sistemas como na gestão escolar. Se não houver uma visão e uma boa eficiência da gestão, o recurso vai embora sem ter resultados. A grande questão é o acompanhamento, ver se isso está rendendo resultados". A Isolda pode falar assim porque vem de uma experiência muito exitosa em Sobral e boa parte do time que trabalhou com ela continua junto. Fico daqui torcendo pro sucesso desse trabalho porque o Ceara, nossa juventude, merecem.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Conselho de pai

Arrumei esse blog pra falar uma coisas que penso e espalhar umas idéias minhas e de outras pessoas com as quais concordo, mas sou meio analfa numas de internet, por isso vou aprendendo aos poucos. Num postava todos os vídeos que queria porque nunca acertava, mas hoje me socorri com a Soninha, uma amiga querida, colorada arretada, e ela me ensinou a postar vídeo.

Pois fui logo buscar o mestre Cartola, em seu reencontro com o pai, que lhe pediu pra cantar O Mundo é um Moinho, composta em 1976. Há uma polêmica, se Cartola a fez para sua filha ou ao ouvir a história de um rapaz que o contou que se apaixonou por uma menina, a levou pra casa, e depois ela quis ir embora.

Alguém sabe algo sobre essa história?


quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Crise, no popular

O Flávio Arruda é desses cabra que tem uma tirada pra tudo no mundo. Dois dedin de prosa com ele podem render mais do que muita tese por aí. Hoje eu recebi um email dele com um texto explicativo sobre a crise econômica. Ele num me disse quem é o autor, por isso fica no crédito do próprio Flavin. Dê uma lidinha nesse texto e me diga se você num sai bem sabido sobre a crise do capitalismo.

Para quem não entendeu ou não sabe bem o que é ou o que gerou a tal crise americana, segue um texto explicando a fuleragem para qualquer menino véi do buchão entender.

É assim: O Jeremias, Beição pros mais chegados, tem um bar lá no conjunto Jereissati I, em Maracanaú, e se toca que o jeito é vender a caninha no fiado porque a mundiça tá sempre lisa e num é todo dia que tem bico pra fazer e levantar um enche-bucho.

Mas como ele né nem abestado, aumenta uma merreca no preço da dose, já que só vai receber no fim do mês. Esse aumento a negada metida a besta chama de sobrepreço.

O gerente do banco do Beição, um fela que se acha muita merda, chei de nove hora só porque estudou em Fortaleza, diz que as cadernetas das dívidas do Bar do Beição e grana são a mesma coisa. Então ele começa a emprestar grana pro Beição tendo o pindura dos papudos como garantia.

Um outro magote de besta, gente graúda do banco, se confia na caderneta do Beição e começa a gastar esse dinheiro por conta, abrindo uma porrada de CDB, CDO, CCD, BMW, UTI, SOS e o carái a quatro que ninguém sabe que diabéisso.

E esssa ruma de letrinha começa a animar a negada do Mercado de Capitais de uma tal de BM&F (uma coisa de gringo aí, onde o cabra tem que ser peitudo pra colocar dinheiro e, depois de um tempo, ou fica estribado ou se lasca todim).

Sei que esses bichos gostam da notícia e, mesmo sem saber que tão dependendo da caderneta do Beição, começam a gastar por conta também.

Como tá todo mundo negociando o dinheiro do Beição como se fosse coisa séria e mais garantida que diarréia depois de angu estragado, o dinheiro dele começa a rodar o mundo todo e tem nego em 73 países mexendo nesse dinheiro.

Até que alguém descobre que os fuleragens dos clientes do Beição tão tudo lascado e não vão pagar as contas. O Beição se arromba, vê que cagou o pau e tem que fechar o bar. Aí...

A nêgada que contou com o ovo no boga da galinha .... tá fudida!

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Heian Nidan

Há quase 3 anos o Guilherme começou a fazer natação, um esporte que ele curtia muito. Só que uma danada duma rinite, herdada deste cabra aqui que vos fala, o obrigou a largar as águas por uns tempos - quer voltar no próximo ano e tem meu apoio. Pois ele logo pediu pra fazer karatê lá mesmo no colégio dele, o "7 de Setembro". Porque ele optou pelo karatê eu não tenho certeza, mas tenho certeza que ele continua praticando muito mais pela técnica, o aprendizado da sequência de movimentos, ou os golpes, como se diz no popular e que lá chama-se "kata", do que por conta do "kumitê", ou das lutas, as disputas. Neste video de 20 segundos ele executa o "heian nidan", numa gravação minha, com ajuda da Sonynha, e a trilha é a introdução de Birdland, da banda Weather Report.

domingo, 9 de novembro de 2008

Coincidências?

Em 2003 o juiz federal Ali Mazloum e seu irmão Casem Mazloum, também juiz federal, foram afastados de suas funções pela Operação Anaconda, da Polícia Federal, acusados de negociar sentenças judiciais.

Em 2004 os irmãos foram isentos da acusação por determinação do Supremo Tribunal Federal, mas ainda restava uma acusação por abuso de poder, da qual se livraram por uma liminar concedida pelo Ministro do STF, Gilmar Mendes, em 2005, e o processo foi extinto no ano seguinte.

Em 2008 o delegado Protógenes Queiróz depois de chefiar a Operação Satiagraha, que prendeu duas vezes o banqueiro Daniel Dantas, solto duas vezes por habeas corpus concedidos peloagora Presidente do STF, Gilmar Mendes, foi indiciado pela Corregedoria da PF porque deixou a Rede Globo gravar a prisão do ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta.

Na semana passada o delegado teve o quarto do hotel em que estava hospedado em São Paulo, a residência onde estava sua esposa e uma filha de 7 anos e o apartamento no Rio de Janeiro, onde estava seu filho mais velho, devassados pela Polícia Federal que portava uma ordem de busca e apreensão concedida pelo juiz da 7a. Vara Criminal Federal de São Paulo, Ali Mazloum.



Pro Mino Carta, isso parece coisa de pesadelo. Confira aqui o que ele andou sonhando.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Ainda vai, PimenTel?

O prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, junto com outros petistas mineiros, entre eles o deputado Virgílio Guimarães, moveu meio mundo prá fazer uma aliança com o Aécio Neves a fim de eleger um candidato único, apoiado pelo PT e o PSDB, a prefeito da capital. Foi uma campanha muito dura, todo mundo sabia que os dois elegeriam até um poste, ainda mais um milionário como o Márcio Lacerda (PSB), um ilustre desconhecido com disposição pra gastar os tubos. Tomaram um susto no primeiro turno, quando tiveram que engolir uma segunda rodada disputando contra Leonardo Quintão (PMDB). Como nesse ano, mais do que nunca, a máquina forrada de dinheiro das prefeituras funcionou muito bem, acabaram elegendo o poste milionário.
Mas foi só passar a eleição e o governador playboy - até hoje num tá bem explicado o acidente da comitiva dele na Praia da Baleia -, que saiu pelo Brasil fazendo companha pra candidato tucano e também pra ele mesmo - pretende enfrentar o Serra em 2010 - , soltou o verbo pra cima do PT. Veja o que ele disse, segundo o Portal Vermelho:

"Em declarações ao jornal Estado de São Paulo, o governador mineiro afirmou que o governo Lula é ''extremamente perdulário''. Aécio anunciou também que a ''vitória do PSDB em 2010 é vital para o Brasil porque seria perverso para o país mais quatro ou oito anos disso que está aí.” No futuro governo tucano, Aécio prometeu ''gastar menos com a estrutura do estado e mais com as pessoas. Não vamos gastar com a ‘companheirada’.”

A matéria do Vermelho até publicou a resposta da direção mineira do PT, que até se defende, mas fico só imaginando como tem gente tirando onda com petista lá nas Minas Gerais.

PT emplumado


No período que trabalhei em Brasília, em 95 e 96, tinha um deputado do PT maranhense, que gostova muito de fazer uns discursos "radicais" e ainda fazia gênero com uns paletós muito pouco discretos - tinha um que o deixava parecido com uma fatia de gerimum de leite - e umas sandálias de rabicho. O cabra até que chamava atenção na forma, mas o conteúdo era bem pouco convincente. Depois eu soube que ele num se reelegeu, mas continuou atuando lá pela terra dele.

Pois nos dias todos que passei fazendo campanha eleitoral durante o Segundo Turno de São Luís, num vi a cara do dito cujo, e posso dizer que estive com a chamada "alta cúpula"da esquerda maranhense, da qual ele faz parte já que é o Presidente Estadual do Partido dos Trabalhadores. Nunca consegui entender direito porque esse moço andava tão sumido. Pra se ter uma idéia, nem mesmo quando a Ministra Dilma Rousseff esteve lá, o deputado Dutra deu as caras. Algumas pessoas me diziam que ele tava insatisfeto com o rumo das coisas, que num concordava com o paoio do PT ao candidato do PCdoB, Flávio Dino, e coisas mais. Só que tinha gente que dizia que ele queria era evitar o confronto com o governador Jackson Lago, que dava uma de neutro, mas na verdade apoiou totalemente o tucano João Castelo. Ou seja, na verdade a distância de Dutra, era também uma forma de ajudar Castelo. Uma coisa que ninguém acreditiva, mas parece que era mesmo verdade.

Depois que voltei de São Luís, vem por outra dou uma brechada na imprensa de lá, principalmente nos blogs de política. Pois eu digo pra vocês que a coisa tá feia por lá. O ex-coordenador da campanha do Lula Evandro Sousa pediu a abertura de um processo de cassação contra Domingos Dutra e outros petistas infiéis, entre outras coisas, porque não apoiaram Flávio Dino. Ele mandou uma carta pro presidente petista que Blog do Décio Sá e eu sugiro que seja lida. É só clicar bem aqui

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Mais campanha pro Flávio Dino

Hoje tá com uma semana que eu cheguei do Maranhão e depois de conhecer muito bem o Flávio Dino, esse cabra aí de prosa com o Aldo Rebelo, já entrei noutra campanha dele. Recebi um email e li no Portal Vermelho que ele tá na lista dos melhores deputados do Congresso Nacional. Ano passado ele ficou entre os quatro melhores e pelo segundo ano consecutivo os jornalistas que cobrem o Congresso Nacional incluiram o Flávio na lista dos melhores parlamentares do Brasil.

Agora os internautas de todo o país estão votando para escolher os três melhores deputados e senadores e os que mais se destacam no combate à corrupção. Flávio Dino concorre nas duas indicações. Para participar e votar em Flávio Dino clique no endereço http://www.premiocongressoemfoco.com.br/

Se você quiser saber mais um pouco sobre a participação do Flávio nessa eleição é só clicar bem aqui.

O tempo não pára, mesmo que ande devagar

Hoje todo mundo praticamente só fala na eleição do Barack Obama. Tem declaração de tudo que é líder político, além de figuras respeitáveis como Mandela, Saramago e o próprio Lula. No Quênia, terra dos avós de Obama e onde ainda mora boa parte de sua família, decretou-se feriado. Há vários aspectos a serem considerados na campanha e no resultado das eleições americanas e aí basta abrir jornais, acessar internet e ligar tv e rádio pra escutar todo tipo de opinião.

Uma questão que me parece muito relevante é o grande poderio que os Estados Unidos ainda guardam, mesmo sendo o centro de uma gravíssima crise que começou no mercado financeiro e já atingiu a produção. Basta observar justamente o quanto as eleições chamaram atenção e mobilizaram pessoas no mundo inteiro para se ter uma idéia de tal força. Se duvidar a turma que gosta de tomar uma cachacinha lá na bodega do Abelardo, na Vila Palestina, em Meruoca, ou que toma uma cervejinha com torresmo - o mais saboroso do mundo - no Fuscão Preto, em Sobral, só tem um assunto: Barack Hussein Obama. Nem que pra seja entender como foi que o primo do Saddam Hussein se elegeu presidente logo dos Estados Unidos. Imagino os cabra conversando. "Rapaz, aquele Saddam era forte mesmo, morreu, mas já tinha deixado o primo dele lá nos Estados Unidos, só pra infernizar a vida do Bush", diz um. Ali do lado o cabra emenda: "Que nada rapaz, esse aí ainda é um daqueles que o Bin Laden infiltrou nos Isteites. Ele tentou fazer terrorismo, mas agora ele vai comer é por dentro. Vai dominar os gringo tudin". E por aí vai todo tipo de tese. Tudo contaminado pela propaganda ideológica anti-oriental. Mas o certo é que foi um fato histórico de grande importância. Só de imaginar que 66% dos eleitores americanos votou, quando nem a metade disso costuma votar, dá pra se ter uma idéia do que fez o Obama e da expectativa que ele gerou.

Curioso que a palavra de ordem do Obama era mudança. A mesma que foi usada na campanha de Tancredo Neves, em 1984 e que o levou à vitória no Colégio Eleitoral da ditadura. No ano seguinte a mesma idéia voltou nas eleições para governador e no Ceará o Tasso Jereissati foi eleito com a mesma palavra de ordem e iniciou a chama Geração das Mudanças. Isso também pode nos dar uma noção de como a sociedade ainda avança lentamente sob o domínio do Tio Sam, enquanto que na América do Sul a coisa vai muito mais rápido e o povo botou abaixo, no voto, o modelo neoliberal. O fato é que a vida segue em movimento, a humanidade continua construindo sua história e nenhum lugar do mundo vai ficar de fora.


Sugestão de leitura: Obama eleito; a história, afinal, não acabou , de Bernardo Joffily e o discurso de Barack Obama