terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Lula é mais que o filme

Cheguei do meu retiro em Valinhos, a 70km de São Paulo, no final da manhã e fui logo me preparando pra assistir ao filme Lula, o Filho do Brasil. Fila imensa na bilheteria do Espaço Unibanco da Rua Augusta, que também exibe Abraços Partidos, do Almodovar. Nem pensar em desistir, a vontade de ver o filme é muito maior do que a impaciência. E valeu a pena!

Ninguém me venha fazer discurso de que é filme eleitoral, de promoção o Lula, de culto a personalidade. Esse papo não cola comigo. Fico com o Rui Ricardo Dias, ator que vive o Lula, que falou ao jornal O POVO : "Primeiro, que o Lula não é candidato a nada. Segundo, ele não precisa de um filme para absolutamente nada. Ele tem quase 80% de aprovação". Fim de papo. Também não vou dar uma de crítico de cinema, mesmo tendo uma opinião sobre algumas coisas que não me agradaram muito enquanto cinema. Mas quero dizer que plasticamente e musicalmente o filme é bonito demais, sem falar do Rui, que arrebenta. Tudo no devido lugar.

O filme é dramático? Faz chorar? Claro que sim. Como não se emocionar com uma família grande, como a de quase todo nordestino, vivendo num sertão brabo, largada pelo marido retirante em busca de coisa melhor no sul maravilha? Como ficar indiferente ao fato de que daqueles bruguelos e bruguelas, que pegam água num açude barrento, comem o que deus der no dia, atravessam metade do país num pau de arara, moram numa palafita ao lado do Porto de Santos, comem feijão catado nas sobras dos armazéns portuários, estudam escondidos do pai alcóolatra, que os abandanou mas não os deixa em paz, vivem na periferia de São Paulo em condições muito precárias, saiu um cara que hoje é o Presidente da República mais querido da nossa história e, pra ficar no lugar comum, pro mundo inteiro é o cara?

Pra mim o filme, mais do que bom, é importante pra quem deseja entender um pouco do Brasil de hoje. Pra entender como um cara que chega a Presidente da República se integra tão bem com o país, é um interlocutor dos diversos segmentos da sociedade brasileira, fala como fala a brava gente, deseja realizar o sonho intenso, vira o porta voz dos países em desenvolvimento e mostra que esta terra ainda vai cumprir seu ideal. Lula é o cara que o Brasil precisava pra viver o que vive. Queremos mais, mas tínhamos que ter esse cara no meio do caminho. O filme mostra como ele chegou até aqui. Daqui ainda vamos longe, mas nunca esqueceremos o que esse cara fez.

3 comentários:

QuebraCabeça ou EsteLadoParaCima disse...

Inááácio, bela crítica. Faço minhas as suas palavras.
FE

pcdob disse...

Além de todos esses motivos que você citou, acrescento mais um que aconteceu na sessão que assisti o filme. Em plena tarde de 1o de janeiro, sala do Shopping Benfica lotada. Ao final do filme, aplausos efusivos para o nosso presidente e, ao fundo um grito meio envergonhado: Agora é a vez da Dilma! Como não se emocionar?

maria disse...

Eu fiquei de olho inchado de tanto chorar,desde a primeria frase em que ele diz"Mãe o que é "cair no mundo"?,
se eu já era admiradora da trajetória do Lula ,agora então....
E todo o elenco dá um show de interpretação
Filme do Ano!!!!!!!!!