quinta-feira, 21 de abril de 2011

Joan, um contador de histórias

A noite já vai invadindo a madrugada, tenho já que me deitar pra num ter sono na viagem que farei com a Fernanda prum repouso praieiro durante o feriado, mas antes quero lhe apresentar um conto do meu amigo, cumpadre, camarada e conterrâneo Joan, sertanejo, nascido do meio pro sul do Ceará, conhecedor do chão e da alma cearenses e estabelecido hoje mais ao norte, ali na cidade onde nasci. Joan tá de livro novo, O Plantador de Borboletas,muito bem falado pelo também amigo querido Gilvan Paiva, em seu blog, e foi lá que busquei essa belezura que lhe convido a ler.


O cavalo cego


A cidade acordou ocupada.
Ao amanhecer tudo estava em poder deles.
Duas éguas baias, postadas à frente da igreja, revistavam as mulheres que se dirigiam à missa, cobertas pelas mantilhas. Cheiravam-nas e levantavam as suas roupas, sem levar em conta os seus protestos.
Quando o carteiro chegou ao prédio dos correios encontrou um ruço de passo miúdo a abrir todas as cartas, e a ordem seca, ríspida, para que sentasse e esperasse.
O cabo Valfrido e os dois soldados foram trancados por um casal de tordilhos de crinas encrespadas, que ficaram examinando as poucas armas, enquanto uma água rosilha jovem, ancas largas, chegada depois, dirigia-se á cela dos fundos onde dois prisioneiros, pivôs de toda a situação, aguardavam assustados o interrogatório.
Às nove horas o líder entrou na casa do Major. Todos os viram passar, um grande corcel negro, os cegos olhos refletindo os azuis da manhã, guiado por duas potrancas brancas e escoltado por uma guarda de potros alazães. 
Não se sabe o que conversaram durante aquela interminável hora, mas quando partiram as mães tinham motivos para chorar pelas três décadas seguintes.


11.junho.2002

Um comentário:

VANDER disse...

Do Carvalho,

cá da terrinha, te mando um grande abraço e boa fartura de gente no lançamento do site, me perdoe ter entrado poesia adentro, boa sorte mano véio.
Vander