segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Defendo a UVA

Andei sabendo que sob o pretexto de garantir uma "educação federal" na Região Norte tem um povo aí querendo transferir os cursos de Engenharia Civil, Química, Física, Ciência da Computação, Tecnologia de Construção Civil, Matemática e Biologia para o CEFET que será instalado em Sobral. A pretensa justificativa é de que no CEFET estes cursos teriam mais apoio federal e com isso proporcionaria uma melhor formação aos alunos.

Isso tá me parecendo coisa de quem quer se livrar da “despesa”com ensino superior e quer jogar nos braços do governo federal. Nem venham com essa! Eu sei que ao governo estadual cabe cuidar do ensino fundamental e médio, mas daí a criar uma contradição com relação ao ensino superior é uma distância bem grande. Penso que no momento deve-se justamente fortalecer as universidades estaduais que temos. O Ceará está mesmo preparando-se pra dar um grande salto no seu desenvolvimento com a vinda da refinaria e da siderúrgica, com o início da exploração da mina de urânio e fosfato de Itataia, ali em Santa Quitéria, pertinho de Sobral. Isso e mais outros empreendimentos certamente demandarão muita mão de obra e porque reduzir, ou até mesmo manter a mesma capacidade de formação. Temos é que ampliar e deveria ser justamente esta a função do CEFET que se instalará em Sobral.

Essa é uma questão que mexe com os sobralenses, somos orgulhosos da UVA que este ano completa 40 anos de fundação e já deu generosa contribuição para a formação da juventude não só de Sobral, como de toda a região – há estudantes dumas 40 cidades que estudam nos cursos da UVA – além de contribuir imensamente para o desenvolvimento da cidade e também de pesquisas avançadas. Mas se for confirmada essa “amputação” da UVA a questão não só de bairrismo sobralense, mas sim de defesa das universidades estaduais que ao invés de enfraquecidas, devem ser mais apoiadas e até ampliadas.

Não sou afeito a me fechar numa idéia, mas faço como o Augusto Pontes: essa é minha opinião, topo conversar, mas quem quiser me fazer mudar vai ter que argumentar muito. Se me convencer, mudo de opinião, mas digo logo, num vai ser fácil.

5 comentários:

clodoveu disse...

Inácio,
Sugiro que procure conhecer melhor qual é a idéia...atitude que eu sei que você sabe ser a correta! Só para começar: não haverá redução nenhuma de quaisquer recursos para a UVA e a decisão (qualquer que seja) está nas mãos de professores, servidores administrativos e estudantes da UVA. Outra sugestão: procure saber quantos dirigentes da UVA são sobralenses. Beijão, veveu

Anônimo disse...

Só escreve besteiras

Joan disse...

Inácio,
o Veveu tem certa razão. Precisamos conhecer melhor a idéia. Por falar nisso, qual é ela mesmo? Onde se encontra o projeto, com a justificativa, os ganhos e as perdas para a UVA e para o Ceará, esses detalhezinhos pra gente fazer a discussão?
Tendo isso a gente proseia.
Um grande abraço,
Joan

Inácio Carvalho disse...

Veveu, meu mano véi de guerra, eu tô exatamente seguindo seu conselho, dado a muitos anos e renovado nesse comentário acima: quero saber das coisas, "é bom ter dúvidas" (foi isso que você me falou certa vez, há mais de 20anos) e é isso que tenho em relação a esta questão.

Prá começar quero lhe dizer que estamos debatendo na assessoria do Chico Lopes o projeto de lei do governo federal que cria a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, matéria que tem íntima relação com o nosso debate aqui. Há um desejo grande de nossa parte em fortalecer a estrutura de qualificação profissional justamente para termos condições de formar bem a nossa mão de obra, dar-lhe condições para ocupar os milhares de empregos que surgirão nos próximos anos - só a refinaria demandará 90 mil, diretos e indiretos. Mas também estamos atentos para a necessidade de se fomentar a pesquisa e estimular o desenvolvimento tecnológico desse pedaço de chão árido onde moramos e criamos nossos meninos e meninas. Neste sentido é que algumas dúvidas me agoneiam.

Uma primeira questão relevante é a expectativa de que, nos próximos 10 anos, o Brasil deverá precisar de cerca de 1 milhão de profissionais qualificados só na área do petróleo e segundo me falou o Diretor Geral do CEFET-CE, Cláudio Ricardo, o Brasil não dispõe hoje de capacidade para formar esse povo todo. Ora, se o Brasil está assim, o Ceará não está muito diferente. Isto posto, não sei porque o CEFET de Sobral, ao invés abrir novas vagas e novos cursos também, apenas incorporará os cursos atuais do Centro de Tecnologia da UVA. Neste caso a ampliação será zero, ou muito próximo disso. Digo mais, se o argumento fosse de que a carência atual ainda é pequena, e portanto não haveria necessidade de termos dois centros de tecnologia concentrados em Sobral, eu não vejo problemas em instalar o CEFET noutra cidade ou região carente de um equipamento desses.

Uma outra questão que me parece relevante é que o governo estadual propõe essa transferência de parte da UVA para o CEFET de forma pontual, sem tratar do impacto sobre a própria universidade. Aliás, meu mano bom - ô cabra bom, todo mundo sabe disso, mas eu quero dizer mais ainda o quanto eu gosto e admiro esse meu irmãos mais velho (ôpa, desculpaí...) - eu ainda tô pra vê o que é mesmo que o nosso Governo Cid tá pensando pras universidades cearenses. Achei muito boa aquela atitude na época da greve, mas ainda aguardo um projeto maior pro ensino superior estadual.

Chegando perto dos finalmente, eu sei que você tem o mais profundo espírito democrático e ele tá todo na frase "a decisão (qualquer que seja) está nas mãos de professores, servidores administrativos e estudantes da UVA", mas você sabe, assim como eu, que a essa decisão deve preceder um dabate intenso e profundo sobre todos os aspectos dessa modificação pretendida. A nossa democracia ainda não desenvolveu um mecanismo melhor do que o voto direto para tomar decisões, mas sabemos que ainda há muito o que ser aperfeiçoado e por isso é que em certas áreas, você sabe, também que se debate o aprimoramento dos mecanismos de decisão e representação.

Já quase findando, quero mesmo que a UVA, ou qualquer outra universidade pública preserve todos os seus, ainda parcos, recursos. Aliás devemos é reforçar muito mais os orçamentos dessas instituições.

E por fim, confesso que não vejo que faça uma diferença marcante o fato dos dirigentes da UVA serem ou não de Sobral. Amo demais nossa terra e os conterrâneos, mas sou muito feliz por acolhermos gente de boa cepa que se mistura e mete a colher no caldo do nosso desenvolvimento. Claro que nosso propalado bairrismo ajuda um pouco mais, dá mais carinho, mais chamego com nossa filha e irmã UVA (no nosso caso, mano véi, ela é uma irmã, né), mas nada que seja tão determinante.

No mais vamos ao debate. Imagino que se está acontecendo o que o Joan fala é uma pena, deve-se expor a idéia ao máximo e submetê-la a uma crítica criteriosa e enriquecedora. Tenho certeza que a prosa pode ser muito melhor desse jeito.

Beijo você também, cabra.


Ah...ao "anônimo", obrigado pela fidelidade, mesmo que envergonhada, ainda. Ainda tô aprendendo, meu caro, sempre irei aprender. Só lhe digo, num fico feliz quando agrado a todos, gosto de desagradar também. Esse é um defeito que não quero corrigir.

Inácio Carvalho disse...

O VEVEU ENVIOU, POR EMAIL, O SEGUINTE COMENTÁRIO:

Inácio e Joan,

Continuo: antes, é preciso conhecer a idéia. Depois, a análise e reflexão, a crítica e a contribuição.
O Governo do Estado não propos a incorporação dos referidos cursos da UVA pelo IFECT. O Cláudio do Cefet/Ifect apresentou a proposta ao Governo e o Governador Cid entendeu ser melhor discutí-la, a b e r t a m e n t e m e n t e, com a comunidade acadêmica. Então, 5a. feira ocorreu a primeira reunião no próprio campus da CIDAO, com a participação de estudantes, servidores e professores, sob a coodenação do Governador, ocasião em que o prof .Cláudio apresentou a idéia, debaixo de uma ampla tenda com mais de 500 cadeiras ocupadas por interessados. Em seguida: debates e esclarecimentos. Decidiu-se compor um Grupo de Trabalho, constituído por professores, estudantes e servidores, que sem avexamento, tratarão do assunto, inclusive sobre a decisão, que, como já dito, será feita pela comunidade acamdêmica. Tou saindo pra Caminhada do Bairro da Santa Casa...contiuamos mais tarde. Outro beijão, pro meus queridos Inácio e Joan, duas aroeiras do sertão...Por sinal, Joan, muitíssimo bonito o seu texto sobre os ipês. Veveu