terça-feira, 17 de março de 2009

Fala o excomungado

Ainda tá repercutindo no meio do mundo a história da excunhão dos familiares da garota de Alagoinhas, em Pernambuco que foi estuprada e engravidada pelo padrasto, e dos médicos que a salvaram realizando um aborto legal e necessário. Entre os "pecadores" tá Rivaldo Mendes de Albuquerque - os pernambucanos gostam desse nome Rivaldo, né? - que também é professor da Universidade Federal de Pernambuco. Nesta semana a revista Carta Capital publicou uma entrevista do médico e vale a pena dar uma lida.

Como o senhor se sentiu ao ser excomungado pela segunda vez?

Não modificou absolutamente em nada a minha vida. A excomunhão não fechou meus olhos para as violências que vejo praticadas, diariamente, contra as mulheres. Sou médico e constato que o aborto é uma questão de saúde pública. A excomunhão em nada ajuda a resolver este problema. Apenas reforça uma postura da Igreja, que não está associada aos que mais precisam. Do ponto de vista religioso, a penalidade é forte, mas não me atinge porque tenho a certeza de que estou ajudando mulheres a saírem de situações extremas. Viver uma situação de violência é como viver no inferno.

O senhor frequenta a missa regularmente. Passou a ser alvo de olhares de desprezo ou reprovação após as excomunhões?

Na primeira vez, fiquei impactado, mas depois percebi que não era nada daquilo. Nunca deixei de comungar. Minha comunhão é com Deus. Em 1996 eu não recebi tanta solidariedade como agora, pois a divulgação não foi tão grande como desta vez. Agora, infelizmente, o arcebispo não demonstrou um olhar de piedade por uma criança. Manifestou apenas um olhar de raiva, de castigo.

Como a equipe médica se comportou após a excomunhão conjunta?

Todos demonstram muita tranquilidade. Lamentavelmente, o caso dessa garota é apenas mais um entre tantos com os quais lidamos aqui. A violência contra a mulher existe, e os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres têm de ser respeitados. O aborto ser crime não protege as mulheres, não evita que ocorra, nem dá saúde à mulher. Ou seja: não resolve o problema. A descriminalização pode melhorar essa situação. Com ela, teremos de respeitar a vontade das pessoas. O Estado é laico e deveria agir como tal, não cedendo às pressões da Igreja.

2 comentários:

Fernanda disse...

Cordel da Excomunhão

A EXCOMUNHÃO DA VÍTIMA

Miguezim de Princesa

Peço à musa do improviso
Que me dê inspiração,
Ciência e sabedoria,
Inteligência e razão,
Peço que Deus que me proteja
Para falar de uma igreja
Que comete aberração.

II
Pelas fogueiras que arderam
No tempo da Inquisição,
Pelas mulheres queimadas
Sem apelo ou compaixão,
Pensava que o Vaticano
Tinha mudado de plano,
Abolido a excomunhão.

III
Mas o bispo Dom José,
Um homem conservador,
Tratou com impiedade
A vítima de um estuprador,
Massacrada e abusada,
Sofrida e violentada,
Sem futuro e sem amor.

IV
Depois que houve o estupro,
A menina engravidou.
Ela só tem nove anos,
A Justiça autorizou
Que a criança abortasse
Antes que a vida brotasse
Um fruto do desamor.

V
O aborto, já previsto
Na nossa legislação,
Teve o apoio declarado
Do ministro Temporão,
Que é médico bom e zeloso,
E mostrou ser corajoso
Ao enfrentar a questão.

VI
Além de excomungar
O ministro Temporão,
Dom José excomungou
Da menina, sem razão,
A mãe, a vó e a tia
E se brincar puniria
Até a quarta geração.

VII
É esquisito que a igreja,
Que tanto prega o perdão,
Resolva excomungar médicos
Que cumpriram sua missão
E num beco sem saída
Livraram uma pobre vida
Do fel da desilusão.

VIII
Mas o mundo está virado
E cheio de desatinos:
Missa virou presepada,
Tem dança até do pepino,
Padre que usa bermuda,
Deixando mulher buchuda
E bolindo com os meninos.

IX
Milhões morrendo de Aids:
É grande a devastação,
Mas a igreja acha bom
Furunfar sem proteção
E o padre prega na missa
Que camisinha na lingüiça
É uma coisa do Cão.

X
E esta quem me contou
Foi Lima do Camarão:
Dom José excomungou
A equipe de plantão,
A família da menina
E o ministro Temporão,
Mas para o estuprador,
Que por certo perdoou,
O arcebispo reservou
A vaga de sacristão.

Renata disse...

Salve todos os homens feministas deste país!!!!! Quero muitos excomungados,como este ao nosso lado!!!